Jorge Mendonça: tem cheiro de gol

Leia o post original por Wanderley Nogueira

* Publicado na Gazeta Esportiva de 30/11/1981 

Jorge MendonçaO jogo de amanhã no Morumbi, entre o São Paulo e a Seleção Paulista, permitirá ao torcedor ver  em campo um grupo de excelente nível técnico. O São Paulo com a responsabilidade de ratificar a sua condição de campeão paulista de 1981 e o selecionado – integrado por ótimos jogadores – dirigido por Jorge Vieira, com a possibilidade de apresentar um futebol vistoso, agradável, inteligente e eficiente.

Um dos grandes destaques da partida de amanhã é o goleador Jorge Mendonça, com 27 anos, e o terceiro artilheiro do Brasil. Perdeu  apenas para Roberto Dinamite e Zico. Aliás, segundo Jorge Mendonça, se o Guarani tivesse seguido no turno mais importante do campeonato paulista “eu teria sido o artilheiro…”

Em Campinas, Jorge Mendonça é um ídolo. Torcedores taxado de irresponsável, bandido, é visto como um exemplo. A diretoria do Guarani não faz nenhuma queixa, os companheiros o adoram, os torcedores o aplaudem. Na vida particular, os amigos são dezenas e Jorge Medonça convive naturalmente com as maiores reservas morais da cidade. Ninguém, hoje, encontra nenhum defeito em Jorge Mendonça. Tem três filhos, esposa, família. Treina muito, dedica-se inteiramente ao futebol profissional. Hoje, ele é sinônimo de gol, seu futebol tem cheiro de gol…

“E 81 foi um ano bom?

Foi. O Guarani disputou a Taça de Prata e conquistou o título. No Paulistão a campanha foi boa. Fui o artilheiro da Taça de Prata e do Campeonato Paulista. Tudo correu bem…”

Qual o segredo? Você não é centroavante e marca muitos gols. Qual a receita?

“É difícil. Sou ajudado pelos meus companheiros e procurou não perder boas oportunidades.”

Onde você nasceu?

“Na cidade de Silva Jardim, estado do Rio de Janeiro. Nasci no dia 6 de junho de 1954.”

Começou onde?

“No Bangu Atlético Clube, depois fui para o Náutico onde joguei por três anos e fui sempre artilheiro. Em seguida cheguei ao Palmeiras onde fui campeão e alcancei a Seleção do Brasil. No Vasco da Gama as coisas não foram bem, mas surgiu o Guarani onde só tenho encontrado alegria.”

E a infância?

“Família pobre, sem fartura. Tenho quatro irmãs e um irmão que está no Noroeste.”

“Nunca gostei de estudar. Fiz até o colegial e depois abandonarei tudo pela bola. Tive sorte no futebol e estou vivendo bem.”

“Onde eu nasci não tinha praia e o jeito era jogar bola na praça da cidade. Sorria muito e tinha muitos amigos.”

“Quando garoto torcia para o Flamengo. Gostava muito do Dionísio, do Paulo Henrique e do Murilo…”

O jogador passa a ser conhecido e a vida muda não é?

“Muda muito… Mas nunca deixei de conversar com os meus amigos. Jamais vou deixar de ser um homem comum. Sou jogador de futebol e um bom jogador é feito de carne e osso.”

Você é mascarado?

“Claro que não. Sou um bom amigo. Não falo da vida de ninguém e não admito que falem dos outros perto de mim.”

A seleção apareceu como?

“Meu treinador era o Jorge Vieira. Ele sempre dizia que eu iria para a Seleção do Brasil. Jorge Vieira sempre me apoiou. Ele tinha razão; fui convocado. As pessoas diziam que eu iria ser cortado e o Coutinho me deu força. Claro que não joguei tudo que podia ou sabia, mas acho que ninguém jogou bem…”

“Entendo até hoje que estive no mesmo nível dos outros jogadores.”

O que você pensa da seleção atual?

“Conseguiu recuperar muito prestígio. Enfrentou a adversários difíceis, mas jogou diante dos adversários fracos também. Acho que o selecionado deveria ter mais tempo para treinar. Apesar de tudo isso, confio no time e na conquista do título…”

Tem lugar para o Jorge Mendonça?

“Não cabe a mim decidir… mas continuarei a batalhar para chegar no time do técnico Telê Santana. Coutinho dizendo que o técnico da Seleção Brasileira não guarda rancor de ninguém. Ele não é teimoso e posso garantir que é um homem justo.”

Quando chegou na cidade de Campinas, foram muitas as pessoas que disseram que o Guarani tinha comprado um jogador problema não é?

“Encontrei muitos amigos. Passei a trabalhar muito, os torcedores começaram a aplaudir, o clube está satisfeito e os companheiros me apoiando. Em Campinas, todos gostam de mim…dificilmente você vai encontrar uma pessoa contra o Jorge Mendonça.”

E o desregrado Jorge Mendonça, não existe mais?

“Sou casado e tenho três filhos. Acho que nenhuma mulher agüentaria um homem que só curtisse a noite e a boemia. Sou um homem comum e não o bandido ou moleque que alguns mostraram.”

Você ganhou muito dinheiro?

“Não posso me queixar. Ganhei e pretendo ganhar mais. Acho que um funcionário honesto que te que ganhar bem.”

Você é contra ou a favor das concentrações?

“Mais ou menos… Um dia antes é o tempo ideal. Não concordo também com aqueles que lutam para que as esposas venham para as concentrações…”

O futebol tem lugar para homossexual?

“Depende… se o comportamento da pessoa for normal nas concentrações e no campo, tudo bem. Quero dizer que não conheço nenhum homossexual dentro do futebol.”

Religião, política, música, teatro, cinema?

“Sou católico, sou apolítico, gosto do Roberto Carlos, não vou ao teatro, gosto de cinema.”

Quais as duas seleções que disputaram a Copa do Mundo de 1982?

“As finalista serão Brasil e Espanha. Sou mais Brasil.”

É pipoqueiro?

“Se pipoqueiro é aquele que não dá pontapés, então eu sou. Procuro jogar futebol e nada mais. Disseram que Campinas receberia um bandido e eu provei que os acusados estavam errados.”

E o racismo?

“Não nunca este problema, felizmente…”

os jogadores formam uma classe unida?

“Não e desunida, mas poderia ser mais forte. Os jogadores não sabem a força que a classe tem…”

Quem é o melhor jogador do Brasil?

“Citarei dois: Zico e Sócrates.”

Você conhece o futebol carioca, jogou em Recife e em São Paulo. São muitos diferentes?

“Nenhuma disputa é mais difícil que o campeonato paulista.”

O futebol fez você chorar?

“Muitas vezes… por vaias, por péssimas exibições, por títulos perdidos.”

O que você espera de 82?

“Espero ser campeão pelo Guarani, conquistar vitórias marcantes e voltar ao selecionado brasileiro. Aliás,. Este jogo contra o São Paulo servirá para mais uma exibição. Espero que o técnico Telê Santana observe a partida e não esqueça de mim se eu jogar bem. Confesso que estou trabalhando muito para dar a volta por cima e ele está quase dada. Confio no sentido de justiça do Telê.