Lento, Palmeiras faz um primeiro tempo fraco e perde na Vila Belmiro

Leia o post original por Flavio Canuto

Clássico é definido nos detalhes? Não sei, mas tenho certeza que o time do Palmeiras não entrou em campo hoje como deveria ser num jogo que definiria o melhor time da primeira fase do Campeonato Paulista.

Com uma dupla de zaga desentrosada e um meio campo com uma marcação frouxa, o Palmeiras apenas assistiu o time do Santos jogar na primeira etapa. Pra piorar, levamos dois gols e ainda vimos uma arbitragem “caseira” deixando os santistas baterem muito.

O resultado deixou o Verdão com a segunda melhor campanha da fase de classificação. Nas quartas de final, nosso adversário será o Bragantino.

Desde o pontapé inicial, ficou claro que a partida teria o time da casa tentando explorar a velocidade da molecada em cima do jogo mais cadenciado do Palmeiras.

As duas equipes tentavam impor seu estilo em campo, mas sem obter finalizações decentes e com real contundência nos primeiros 22 minutos de partida, quando Valdivia tomou cartão amarelo por (justa) reclamação.

Já naquele momento da partida, o irmão do Paulo César de Oliveira estava deixando a porrada rolar a vontade. Quase toda dividida que o um palmeirense ganhava era sucedida por uma falta.

A mais violenta delas, sobre o volante Eguren, nem mesmo chegou a ser assinalada pelo árbitro.

Aos 22 minutos, após cobrança de escanteio, o zagueiro Neto fez falta em Marcelo Oliveira e cabeceou com força no contrapé de Bruno, que nem pulou na bola. 1×0.

Gol cuja irregularidade só foi lembrada pelo pessoal no banco de reservas. Os líderes do time, incluindo o reserva Bruno, quase não reclamaram com o árbitro e acabou ficando por isso mesmo.

Com a vantagem, o time treinado por Oswaldo de Oliveira ficou com os espaços que precisava para contra-atacar.

Aos 32 minutos, Alan Kardec deu um chute fantástico, na entrada da área. Mas Aranha fez grande defesa, com a bola batendo na trave. Seria o empate alviverde, e o jogo poderia ser outro.

Logo em seguida, aos 35 minutos, o lance capital da partida. Geovânio lançou Thiago Ribeiro, que, livre, venceu Bruno e ampliou o marcador a favor do time da casa. 2×0.

Lúcio falhou? Tiago Alves falhou? Na verdade, Tiago Alves joga na posição do Lúcio e a marcação estava prejudicada principalmente por conta disso.

Na segunda etapa, o Santos veio com a idéia de “administrar o resultado” e expulsar o camisa 10 palmeirense. A “caça” ao Valdívia começou logo nos primeiros minutos.

Por sua vez, o Palmeiras veio um pouco mais ligado, e criou boas chances com Alan Kardec aos 8 minutos, Bruno Cesar aos 11 e 13 minutos e novamente Alan Kardec aos 22 minutos, com Aranha mais uma vez brilhando.

Percebendo que o time estava errado, Gilson Kleina acabou recuando Marcelo Oliveira para a zaga e Tiago Alves foi para a lateral direita. Bruninho foi para o meio campo e jogou (bem) como volante até o final da partida.

As entradas de Patrick Vieira no lugar de Bruno Cesar aos 24 minutos e de Felipe Menezes na vaga de Egúren aos 28 minutos, deixaram o time um pouco mais ofensivo, mas o Palmeiras quase não conseguia finalizar.

Aliás, Alan Kardec continua buscando jogo do lado esquerdo e Leandro “cotonete” errou quase tudo hoje. Até quando?

Quando parecia que nada mais iria acontecer, Juninho (que jogou bem) fez um grande cruzamento e Alan Kardec cabeceou para baixo, com precisão, finalmente vencendo o goleiro adversário aos 43 minutos.

Patrick Vieira quase empata, também de cabeça, aos 46 minutos, mas a bola foi para fora. O empate seria o resultado mais justo, mas no futebol isso não existe.

Não podemos mais errar tanto e o treinador deve montar a equipe que vai a campo com o time adversário em mente. Não vi isso hoje na Vila Belmiro.

E que venha o Bragantino!!!

Ah, você também pode me seguir no Twitter ou  Facebook!

Abraço a todos!