Situação bizarra e inédita nos 113 anos do campeonato paulista

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

O regulamento do paulistinha, sem jogos entre os times do mesmo grupo na fase classificação e com obrigatório confronto de equipes da mesma chance nas quartas-de-final, produziu situações pitorescas e uma inédita.

O Santos, líder na classificação geral, vai encarar a Ponte Preta, sexto time que mais pontuou.

O Palmeiras fez a segunda melhor campanha e vai enfrentar o Bragantino, que tem a oitava.

Botafogo e Ituano, terceiro e quarto na soma de pontos, decidirão quem continua na competição. Obviamente, para eles, o titulo vale muito.

O quadrifinalista São Paulo, líder de chave com menos pontos (quinto no geral), terá pela frente a Penapolense, décima terceira no torneio de 20 equipes.

O time de Muricy não somou, por exemplo, pontos o bastante para se classificar no grupo em que o Corinthians foi eliminado.

A equipe dirigida por Mano teve a sétima melhor campanha está fora dos oito que seguem no paulistinha.

São Bernardo (9°), Audax (10°), Portuguesa (11°) e Rio Claro (12°) têm mais pontos que a Penapolense.

Outra curiosidade sobre o time de Penápolis.

É a primeira equipe em todos 113 anos de história do campeonato paulista, seja nos gloriosos tempos de Paulistão ou nos atuais de paulistinha, que disputará o mata-mata em busca de título após perder mais jogos que ganhou.

A situação é sui generis.

Só me resta ‘parabenizar’ a genialidade da cartolagem e seu regulamento .

Entendo que a ideia do sistema por grupos não é aumentar a chance de quem mantém bom desempenho regularmente, concordo que o paulistinha com 20 agremiações seria um tédio se fosse disputado por pontos corridos, mas é preciso dar um jeito de evitar a bizarrice de não premiar quem perdeu mais do que ganhou.

Diferença entre os grupos

Os números dizem respeito á soma da pontuação de todos os times da chave na primeira fase do paulistinha.

Repare na diferença.

As equipes do grupo A, que tinha o São Paulo, juntos conquistaram 85 pontos.

No grupo B, onde o Corinthians foi elimnado, os times somaram 122 pontos

As agremiações do grupos C,  o do Santos,  fizeram 107 pontos

E as do Grupo D, o do Palmeiras, 106 pontos.

Curiosidades

A primeira edição do campeonato paulista, ainda na era amadora do futebol, aconteceu em 1902.

Até 1972 o sistema de disputa adotado foi o de pontos corridos.

Apenas em 1936, o regulamento determinava a decisão entre o campeão do primeiro e e do segundo turno. Se uma das equipes ganhasse ambos os turnos, seria campeã sem a final.

Tal formato de competição só voltou a ser adotado em 1973, quando Santos e Lusa disputaram a decisão.*

O personagem mais lembrando daquela final é o árbitro Armando Marques por causa da lambança na hora de fazer contas.

O título acabou sendo dividido.

O campeonato de 1977, considerado por muitos corintianos o mais importante da história do clube, pois quebrou o jejum de 22 anos sem conquistas, foi o primeiro que teve semifinais e decisão obrigatória prevista no regulamento.

Em cinco edições, depois que a FPF colocou no regulamento que o campeonato seria decidido em confronto diretos, o torneio foi disputado pelo sistema de pontos corridos e por isso não teve final .

Adendo*

Houve decisões antes da obrigatória, quando dois times, no sistema de pontos corridos, terminaram empatados em pontos. Não se levava em conta o número de vitórias e o saldo de gols.

O campeonato de 59 serve como exemplo.

Palmeiras e Santos ganharam 63 pontos em 38 jogos (a vitória valia dois, não três como hoje).

O Alviverde marcou 107 gols e sofreu 32 (saldo de 75) após 29 vitórias 5 empates e 4 derrotas.

O Peixe balançou as redes 151 vezes, levou 53 (saldo de 98) depois de ganhar 30 jogos, empatar 3 e perder 5.

Em todos os critérios usados hoje para o desempate em torneios dentro do Brasil, o time de Vila Belmiro teria sido campeão.

Mas o do Parque Antártica ficou o título após o (1×1) no jogo de ida e o 2×1, a seu favor, no de volta.

Pelé, autor de 44 gols em 40 partidas do Peixe naquela Paulistão, abriu o placar; Julinho e Romero marcaram os da virada.

O Brasileirão deveria adotar o mesmo critério.

Muito mais justo que saldo ou número de gols, e quantidade de vitórias, é a definião do campeão pelo confronto direto quando dois times empatam em primeiro lugar.

Mas aqui não há datas para isso, pois os estaduais têm 19 (eram 23 até o ano passado).

Aviso 

Conto o paulistinha que está em andamento nos 113 anos.

*Correção