Show de Zezé Di Camargo e Luciano, pago pelo SPFC, tem campanha de Aidar

Leia o post original por Perrone

Foto enviada ao blog por conselheiro mostra telão com campanha da situação em show

Foto enviada ao blog por conselheiro mostra telão com campanha da situação em show no São Paulo

A apresentação de Zezé Di Camargo e Luciano, em atrasada homenagem ao Dia Internacional da Mulher no São Paulo, pago pelo clube, teve divulgação da campanha da chapa da situação, encabeçada por Carlos Miguel Aidar.

 

O telão instalado no ginásio do clube exibiu os nomes da chapa situacionista e de Aidar, candidato à presidência em pleito no próximo dia 16. Também houve distribuição de relógios amarelos, cor usada pelos aliados de Juvenal Juvêncio, para as sócias que foram à festa. A entrada era trocada por duas latas de leite em pó.

 

Pelo show, o clube pagou R$ 200 mil, segundo Aidar, que afirma não se tratar de um evento eleitoreiro.  A oposição, que apoia Kalil Rocha Abdalla para a presidência, reclamara antes do evento de uso da máquina. E voltou a reclamar depois.

 

“O Juvenal fez um vídeo de uns quatro minutos mostrando o clube antes e agora, que até vou mandar para os sócios. No final, apareceu ’Avança São Paulo’ e o meu nome. Não era para aparecer, mas paciência. Situação é situação em qualquer lugar do mundo. E a oposição também está reclamando porque foram distribuídos 1.500 relógios amarelos, com o escudo do São Paulo para as associadas. Mas não tem problema nenhum, isso é bobagem”, disse Aidar ao blog. O candidato afirmou que o clube pagou pelos relógios numa decisão do atual presidente.

 

O show também teve, ainda de acordo com Aidar, a inauguração de camarins no ginásio. Os opositores declaram que a situação tem feito uma série de inaugurações com cunho eleitoreiro. Apesar de o evento ser apenas para sócias do clube, o candidato situacionista e Juvenal, que não ficou o tempo inteiro, compareceram vestindo camisas amarelas.

 

A eleição são-paulina será disputada em dois pleitos. Em 5 de abril, os sócios vão eleger 80 conselheiros. Onze dias depois, o Conselho Deliberativo define o presidente.