Ainda abatido, Palmeiras vence mais uma e segue na Copa do Brasil

Leia o post original por Flavio Canuto

Quem assistiu principalmente ao primeiro tempo de Palmeiras x Vilhena-RO, notou que o time ainda não superou a derrota de domingo que resultou na eliminação do Campeonato Paulista.

Além do baixo nível técnico de vários atletas que estavam em campo, ainda tivemos que lidar com o abatimento e a baixa autoestima do grupo que fez uma boa campanha no estadual, mas caiu diante do Ituano na semifinal, por 1 a 0.

Apesar dos pesares, com dois gols de Bruno Cesar, os primeiros como jogador alviverde, o Palmeiras venceu por 2 a 0 a equipe do Vilhena (RO) perante 4.430 heróis. O resultado garantiu o avanço do Verdão para a próxima fase da Copa do Brasil 2014.

O início da partida mostrou curiosamente a equipe visitante marcando na base da pressão, dificultando a saída de jogo do desfalcado Palmeiras. O primeiro lance de gol só surgiu aos 5 minutos, quando Bruno Cesar chutou, o goleiro espalmou e Leandro finalizou mal, para fora.

Será que no Brasileirão ainda vamos ter que aturar o Leandro entre os titulares? Qual a contusão do Diogo que nunca se recupera e vive em eterno processo de recuperação física? O Leandro merece passar um bom tempo no banco de reservas.

Por volta dos 20 minutos, o jogo lento e sem nenhuma criatividade do time alviverde incentivou o Vilhena a avançar mais, com direito a uma pressão bizarra e também a alguns passes errados apavorantes por parte do nosso sistema defensivo, um deles aos 32 minutos que quase resultou em gol.

O jovem zagueiro Wellington, que foi um dos poucos que se salvaram no domingo, estava nervoso demais e errou tudo contra o Vilhena-GO.

Aos 34 minutos, Miguel teve boa oportunidade na grande área adversária, mas não soube o que fazer. O melhor lance do primeiro tempo ocorreu aos 35 minutos, quando Mendieta lançou Marcelo Oliveira, que fez belo corte e chutou, exigindo duas boas defesas do goleiro Dalton.

Com Serginho no lugar de Wellington, o Palmeiras voltou um pouco melhor na segunda etapa, mas ainda sem se articular de forma muito consistente. Bruno Cesar chutou uma boa bola aos 10 minutos, mas aos 12 minutos o goleiro Bruno teve de se virar com os pés para evitar um gol do adversário. O jogo assustava.

Aos 15 minutos, a entrada de Marquinhos Gabriel na vaga de Mendieta deu ao Verdão uma boa opção de jogo pelo lado direito de nosso ataque. As coisas pareciam caminhar para uma melhora, mas um susto ocorreu aos 26 minutos, quando Edilsinho bateu falta e Tairão mandou a bola na trave. O horror.

Se essa bola entra, não sei o que poderia acontecer em campo, já que o time estava psicologicamente em frangalhos. No banco de reservas, o técnico Gilson Kleina estava tão assustado, tão apavorado, que mal conseguia se mexer.

Mas o pesadelo que pairava no ar seria espantado de vez pouco depois. Aos 27 minutos, Marquinhos Gabriel faz belíssima jogada pela direita e cruza com precisão. Bruno Cesar finaliza com categoria, e enfim o marcador ficava a nosso favor. Alívio imediato.

O gol derrubou de vez os já cansados atletas do Vilhena. Sorte nossa.

Aos 31 minutos, pênalti em Bruno Cesar, que o próprio cobrou com força, dando números finais à partida. Miguel Bianconi, sozinho na área, ainda desperdiçaria uma boa oportunidade aos 37 minutos, em nova jogada de Marquinhos Gabriel, que provou merecer novas chances no time.

Desculpem mas, assim como os jogadores, eu também ainda não superei a derrota de domingo. Não consigo entender porque o Marquinhos Gabriel não entrou no jogo de domingo?

Por que o Serginho, que tem muito mais cacoete de lateral do que o zagueiro Tiago Alves, não estava substituindo o Wendel?

De nada adianta termos um elenco um pouco melhor se o treinador não sabe usá-lo. Enfim, voltaremos a esse tema mais adiante por aqui. Bola pra frente.

Ah, você também pode me seguir no Twitter ou  Facebook!

Abraço a todos!