QUE VENHA O MATA-MATA, ALELUIA!

Leia o post original por K.O.N.G

Ainda bem que temos o Santo. Arte: José Augusto

Fala, cambada!

Jogo duríssimo ontem na Colômbia, não é por acaso que o Santa Fé foi um dos semi-finalistas da Libertadores do ano passado. Começamos bem demais, um golzinho logo no início esfriou o ânimo dos colombianos e fez o Galo dominar o jogo com propriedade até o final do primeiro tempo. Tivemos chances de marcar o segundo antes mesmo do juiz apitar o término da primeira etapa, além de outros lances de contra-ataque que poderiam ter fechado o caixão dos caras, se tivéssemos tido a frieza necessária para acertar os passes. Guilherme jogou muito e o meio campo com Donizete é outra coisa, impressionante a diferença. Com todo respeito a Josué, a vaga de segundo volante do Galo tem dono, a não ser que Autuori esteja maluco.

Veio o segundo tempo e a história mudou. O Santa Fé caiu pra dentro e a pressão foi gigantesca até levarmos o gol de empate, num vacilo geral da defesa, começando pelos volantes que não deram combate na intermediária. Aí a coisa ficou feia e se não fosse Victor no gol a vaca teria ido para o brejo. Nosso Santo da camisa 1 já tinha feito alguns milagres até então, mas o que veríamos a partir do gol de empate colombiano foi digno de canonização e motivo suficiente para a igreja aplaudir de pé. Devem ter sido pelo menos umas cinco defesas daquelas de deixar o atleticano se perguntando como é que conseguimos trocar esse cara no Werley. Até hoje eu não acredito nisso.

Autuori fez umas alterações bastante questionáveis e, aos trancos e barrancos, conseguiu segurar o placar. Não importa se gostamos dele ou não, o que interessa é que estamos classificados para a próxima fase com uma rodada de antecedência e não perdemos nenhum jogo nessa Libertadores. Para vocês terem uma idéia de como isso é importante, dos 32 times que disputam a competição, 28 ainda tem chances de se classificar para o mata-mata. Competência? Sorte? Que se dane. O importante é que estamos lá.

#GaloSempre