Flamengo 1 x 1 Vasco – Flamengo, 33 vezes campeão do Rio

Leia o post original por Mauro Beting

 

A bola veio do escanteio da ponta direita do gol à esquerda das cabines de TV do Maracanã. De onde, em 1978, Zico bateu correndo o corner para a chegada no segundo pau de um zagueiro-direito rubro-negro. Daquela vez, era o Deus da Raça do Flamengo – Rondinelli. Desta vez, o criticado Wallace de tantos erros na eliminação da Libertadores. Não era Erazo, que Erazo é humano, ainda mais humano quando cometeu o pênalti bem convertido por Douglas que ia dando o título ao Vasco pela primeira vez desde 2003. Merecido pelo jogo decisivo, não pela campanha em todo o RJ-14, que era do Flamengo. Por isso também era o empate. Por isso também foi o gol do título. O 33o. da história rubro-negra.

Mas Wallace não é Rondinelli – não é mesmo. A bola que entrou direto no ângulo direito de Leão em 1978 desta vez achou o travessão de Silva. O Vasco se salvava aos 45 minutos. Mas tinha rebote. Veio Nixon, que, em 1978, era sinônimo de renúncia e falcatrua – não necessariamente nessa ordem, e não apenas desde 1974. Mas Nixon não chegou. Quem apareceu primeiro foi Márcio Araújo. O volante de valor moral pelo que corre, pelo que rala, pelo que treina, pelo que se aplica. Mas não pelo que joga.

Márcio Araújo foi na bola e a tocou meta adentro. Um a um. Flamengo campeão. Vasco, vice.

Mas com ainda maior requinte de crueldade. Márcio Araújo estava impedido. Daqueles bem impedidos. Mas não vistos pela arbitragem. No mesmo ano em que um gol foi sonegado a  Douglas no Clássico dos Milhões, outro gol que nem polêmica tem de tão claro foi dado ao Flamengo.

O assistente não viu a banheira de Márcio Araújo. E os vascaínos nem reclamaram dela. Não sei se é cansaço, desespero por mais uma derrota, desatenção, não sei. Mas em um futebol onde se reclama de tudo, quem pode protestar é o torcedor que não viu os próprios atletas reclamarem do gol irregular.

Do gol campeão do Flamengo.

Do gol de Márcio Araújo.

Incertas coisas só acontecem com o Rubro-Negro.

P.S.: Sim, no gol vascaíno no primeiro jogo, há como marcar falta em Felipe que foi chargeado por Everton Costa. Lance bem discutível depois de rever a jogada. Lance dificílimo de ser visto e marcado na velocidade do jogo.