Ituano fez jus ao título! Até o grave erro do apito superou; Santos foi o melhor time do campeonato

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

O Santos foi o melhor time do campeonato.

O Ituano mereceu ser o campeão.

Foi superior ao Peixe em ambos os jogos decisivos e conseguiu a façanha de superar dois erros cruciais da arbitragem, um pênalti mal marcado em cada jogo, para levantar a taça.

O sistema defensivo do Galo de Itu anulou o setor de criação do Santos que tanto trabalho deu aos adversários durante o paulistinha.

E quando teve a chance de ir ao ataque, o fez com o devido equilíbrio, de maneira racional, sem medo.

Por falar em racionalidade, a frieza da equipe chamou a atenção.

O normal seria perder a cabeça depois de levar o gol de Cícero, mas cresceu.

Os nervos dos atletas foram colocados novamente à prova na decisão por pênaltis depois de Anderson Salles, ironicamente o destaque do time nas cobranças de faltas, errar, e eles, mesmo diante da pressão do torcedor do Peixe, acertaram todos chutes.

Parabenizo os dirigentes, treinador e atletas do Ituano pela façanha.

Vencer qualquer campeonato contra a força econômica do quarteto de grandes do estado é um grande feito.

Entraram para a história como vencedores do futebol da cidade e também do interior paulista.

Sobre o pênalti

Nem vou entrar no mérito sobre o acerto, ou não, na hora que Raphael Claus soprou a falta, dentro da área, em Cícero.

O atleta do Peixe estava impedido.

Desta vez, a cobrança de Cícero foi perfeita.

O goleiro Vágner acertou o canto e pulou na hora certa, mas não chegou na bola.

O lance deveria fortalecer o Santos diante de sua torcida.

Frieza, competência e tática

Mas o time voltou para o 2° tempo pior.

O Galo de Itu adiantou a marcação, ficou com a posse de bola no meio, e o Santos passou a ter apenas o contra-ataque como opção para fazer o gol.

Doriva pediu para o time para tentar recuperar a bola mais na frente porque o Peixe, se não conseguiu entrar na área com ela dominada, levou algum perigo nos cruzamentos.

A mudança afastou o Santos da área e facilitou o trabalho da defesa de interceptar tais lances, pois ao invés de cruzar, o favorito precisou apelar aos chuveirinhos e apenas com o sumido Leandro Damião na disputa.

O Ituano sofreu apenas um pouco quando Rildo substituiu Thiago Ribeiro.

Ele deu trabalho com seus dribles, virtudes que nenhum outro jogador santista conseguiu colocar em prática, mas acabou sendo um dos vilões nas cobranças de pênaltis, chutar na trave.

Ele é Neto falharam.

Como Geuvânnio e Thiago Ribeiro foram mal, Cicinho apoiou muito, produziu pouco e deixou espaços para o Ituano atacar, as linhas do meio e da defesa do Peixe ficaram mais distantes do que deviam, e o bom futebol do time não apareceu nas finais, responsabilizar os dois que erraram pênaltis será um ato maldoso e que tira a responsabilidade dos que mais têm.

O Santos podia jogar muito melhor.

Isento

O pênalti mal marcado em Cícero foi o único grande erro da arbitragem.

Ela mostrou isenção na hora de interpretar os lances.

Não houve aquela tradicional história de usar critérios diferentes e favoráveis ao time.

Do blogueiro

Não costumo relembrar as besteiras que são ditas quando o tempo deixa clara a realidade.

Raramente faço isto.

Como, neste caso, teve profissional do futebol fazendo coro com a visão passional de alguns torcedores, deixo a pergunta.

São Paulo, Palmeiras e Santos, na respectiva ordem, entregaram para o Ituano?

Ficha do jogo

Santos 1×0 Ituano 

Santos – Aranha; Cicinho, Neto, David Braz e Mena; Alison e Arouca; Thiago Ribeiro (Rildo), Cicero, Geuvânio (Alan Santos); Leandro Damião (Gabriel)
Técnico: Oswaldo de Oliveira

Ituano – Vágner; Dick, Anderson Salles, Alemão e Dener; Josa, Paulinho (Marcinho), Jackson Caucaia e Cristian (Marcelinho) e Esquerdinha; Rafael Silva (Jean Carlos)
Técnico: Doriva

Árbitro – Raphael Claus
Assistentes – Carlos Augusto Nogueira Júnior e Danilo Ricardo Simon Manis
Público – 34.964 pagantes. Renda – R$1.991.845

Decisão por pênaltis

Galo de Itu – Jackson Caucaia, Anderson Salles (perdeu), Marcelinho, Esquerdinha, Marcinho, Jean Carlos, Dener, Josa

Peixe – Cícero, Alan Santos, David Braz, Rildo (perdeu), Gabriel, Arouca, Alison, Neto (perdeu)