Libertadores derruba “máscaras” de clubes e mídia

Leia o post original por Mion

O craque Everton Ribeiro faz a diferença, além do Cruzeiro ter um time diferenciado.

O craque Everton Ribeiro faz a diferença, além do Cruzeiro ter um time diferenciado.

Quando trata-se de Libertadores o discurso não muda há décadas: sempre clubes brasileiros são melhores tecnicamente, enaltece pressão da torcida, raça, catimba, concentração (o moderno FOCO) e a altitude. Discurso repetido mecanicamente por imprensa, jogadores e técnicos. Antes de começar a Liberta, maioria dos comentaristas, nunca viu o time jogar, analisa apenas por tradição ou colocação atual no campeonato de seu país. Veja o caso do Leon, foi campeão mexicano de 2013, atualmente está no modesto 13º lugar. No Rio vimos o timaço que é, passou pelo Flamengo com Maracanã lotado e tudo, venceu por 3 a 2 sem muito susto. Poucos times de fora do Brasil conseguiram enfiar 3 gols no Mengão com o Maraca entupido. Leon não tomou conhecimento da tal pressão de estádio cheio. E enfrentar a Nação não é fácil. Quando o time é bem superior, nada evita que imponha a sua melhor qualidade.

Os clubes brasileiros não podem acreditar naquele papo de que o campeonato brasileiro é o de melhor qualidade e o mais difícil. Discurso leviano que talvez há 10 anos tivesse alguma verdade. O dirigente acha que com a conquista de um terceiro lugar na Série A, o qualifica a atropelar qualquer time da América do Sul. A Libertadores derruba todas as máscaras. Em algumas circunstâncias ocorre alguma surpresa, faz parte do futebol, mas em condições normais, só os melhores se classificam. Exemplifico com o Cruzeiro. Deu uma bobeada nos primeiros jogos, mas por ter qualidade técnica e tática, além de ser melhor que os adversários, reagiu e passou. Quando precisava fazer 3 gols foi lá e fez porque tinha mais time.

Dos 6 brasileiros sobraram 3 e não há nenhuma dúvida: Cruzeiro, Atlético-MG e Grêmio foram melhores em seus grupos. Já Flamengo, Atlético-PR e Botafogo caíram porque não tinham mais bola, os adversários os superaram em todos os sentidos. Por isso quem quiser disputar a Libertadores precisa investir e entender que este papo de os times brasileiros são infinitamente superiores tecnicamente é apenas discurso para agradar torcedor e aumentar audiência. Na real, ultimamente dentro de campo, não vemos nada disso.