Desconfio que ele será o novo homem forte do futebol do São Paulo

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Carlos Miguel Aidar, favorito na eleição de presidente do São Paulo, compareceu com Ataide Gil Guerreiro e João Paulo de Jesus Lopes à festa de encerramento do campeonato paulista.

Lógico que a presença de Aidar na entidade tem a ver com o cargo que tende a ocupar após o próximo dia 16 (amanhã), quando acontecerá o pleito no qual os 80 novos conselheiros e os 160 vitalícios votarão para escolher o sucessor de Juvenal Juvêncio.

Ele não iria à FPF caso não estivesse preparando o terreno para a sua gestão.

A questão é saber o que faziam João Paulo de Jesus Lopes e Ataide Gil Guerreiro.

João Paulo de Jesus Lopes é o atual vice-presidente de futebol e tem bom trânsito na Federação.

Ataide Gil Guerreiro foi o representante do São Paulo lá – todo clube tem um – até 2008.

Pediu exoneração do cargo no final daquele ano por causa do episódio dos ingressos da Madonna, que levou Marco Polo Del Nero a ser suspenso pelo STJD da presidência da federação por 90 dias, após cogitar a possibilidade de o clube tentar obter favorecimento do árbitro Wagner Tardelli na partida decisiva contra o Goiás em troca de entradas para o show da cantora no Morumbi.

Dizem, nos corredores do Cícero Pompeu de Toledo, que haverá mudança de cargos no futebol do São Paulo.

Meu desconfiômetro,  que se baseia no pouco de conhecimento dos bastidores do clube e do futebol, sinaliza que Ataíde Gil Guerrero esteve na FPF porque precisará voltar mais vezes nos próximos meses.

Creio que será o homem forte do futebol do São Paulo caso Carlos Miguel Aidar realmente seja eleito.

A vice-presidência é, na hierarquia do futebol, o cargo mais alto.

Fica acima da diretoria e responde diretamente apenas ao presidente do clube.

Vamos aguardar para ver se a minha impressão realmente é também um fato.

Opinião

Neste momento me limito a dizer que gosto da escolha, se confirmada, claro, pois Ataide tem o perfil de quem não permitirá que no CT da Barra Funda o lobby, como acontece hoje, vença o trabalho e a produtividade.

A politicagem que prejudica o ambiente e passa longe das críticas midiáticas por razões que não vou citar, ao menos por enquanto, tende a ser trocada pelo trabalho, seja com os atuais funcionários ou com outros.

Importante

Marco Aurélio Cunha será o vice-presidente de futebol caso Kalil Rocha Abdalla, candidato da oposição à presidência, vença o pleito.