João Paulo venceu

Leia o post original por Wanderley Nogueira

* Publicado na Gazeta Esportiva de 22/12/1981

DaltroMenezes

Daltro Menezes começou a cair quando criou uma briga com João Paulo. Os últimos tempos na Vila Belmiro serviram para uma medição de forças. De um lado um técnico trabalhador, tático, disciplinador, agressivo; de outro, um jogador rápido, hábil, artilheiro das duas últimas temporadas. Ídolo da torcida, tem muitos amigos do time. Quando a luta entre os dois começou , já sabia-se que no último assalto, João Paulo seria apresentado como o grande vencedor. Era só uma questão de esperar o tempo passar…

Os pronunciamentos de Daltro Menezes desagregaram o elenco. Mas é válido afirmar que Daltro ao longo dos últimos meses falou muitas verdades. Pode até não ter sabido colocá-las bem, mas não mentiu…

Havia necessidade de mais união, mais companheirismo, maior empenho, maior honestidade. Todos sabiam disso e até aceitaram as observações do treinador.

Mas quando Daltro Menezes resolveu mudar o estilo de jogo, determinado pura e simplesmente que os astros do time marcassem os adversários, o estopim foi aceso para explodi-lo. Para alguns jogadores, principalmente o ponteiro João Paulo, isso era demais. Afinal, marcar é com os zagueiros… atacante tem que marcar gols e é o que estou fazendo…

João Paulo foi mais além: não jogo mais no time do Santos enquanto ele for treinador… a gente não se entende e o artilheiro fica terrível.

O ponteiro tinha dado o veredito: CULPADO. Aparentemente para os menos avisados, estava encerrada a carreira de João Paulo jogando pelo Santos. O jogador tinha cometido uma grave indisciplina rompendo publicamente com o treinador e até mesmo promovido um desafio. O preço do seu passe começou a ser divulgado e até alguns interessados ousaram pedir o preço…

Desfilando pelas alamedas da Vila Belmiro, o forte e baixo Daltro Menezes preferia não comentar o assunto, mas seus olhares revelam que considerava-se um vencedor: João Paulo estava saindo da Vila…

Mas no futebol o “quase” é muito importante. Um técnico quase conseguiu realizar o seu trabalho… um jogador quase marcou um gol… o goleiro quase defendeu a penalidade… o Zico quase saiu do Flamengo… o Sócrates quase não assinou o contrato… o João Paulo quase deixou a Vila Belmiro…

E foi exatamente João Paulo que provocou a queda do treinador. Querendo livrar-se do ponteiro, o mais rápido possível, o treinador passou a oferecê-lo “por um bom preço ou a base de troca”.

Para a diretoria do Santos isso foi uma ofensa. O treinador oferecendo o artilheiro time, um jogador selecionável, como se oferece um simples juvenil? Era o “gancho” que os dirigentes queriam, o motivo (?) que eles estavam buscando. Valeu a demissão do treinador.

Ninguém pode esquecer que a própria diretoria na tentativa irônica de apoiar o treinador, quando a equipe ainda disputava jogos do Paulistão, disse que João Paulo era vendável.

Mas terminada a disputa, com o título não conquistado, com as pressões de torcedores e conselheiros, a diretoria executiva retirou o apoio “irrestrito” ao Daltro Menezes e preferiu transferi-lo para João Paulo. O Santos precisa de ídolos, o Santos vive de Pita, de João Paulo…

O ponteiro estabelece em campo a verdadeira filosofia do Santos: um futebol agressivo, rápido, rompedor, insinuante, atacante…

Ontem, aconteceu o que já era esperado desde o dia em Daltro e João Paulo brigaram. Sempre foi assim no futebol. Num confronto de prestígio entre um “astro” e um treinador (por melhor que seja), aquele que marca gols aparece como vencedor. E nos raros casos em que o técnico vence, dias depois o clube mostra-se arrependido. Assim é o futebol. A demissão de Daltro Menezes apenas faz parte da rotina…

Daltro caiu!

Cabe ao Santos a grande surpresa desse final de ano. Ontem, após reuniões no último final de semana os dirigentes resolveram exonerar o técnico Daltro Menezes, afastado do cargo de treinador do time profissional, impedindo dessa maneira que o trabalho planificado para a temporada de 1982 pudesse ser realizado.

Com isso todo esquema deixado com vistas ao Campeonato Brasileiro deverá sofrer alterações, o mesmo ocorrendo em relação a compra e venda de jogadores. Outro fato que merece destaque é a reintegração definitiva do ponteiro João Paulo que está de acordo com o vice-presidente José Antônio dos Santos, não mais será vendido e deverá continuar na equipe, jogando o seu futebol habitual sem sofrer críticas por parte do técnico com relação a sua postura tática dentro do gramado.

Segundo os dirigentes santistas a demissão do técnico foi provocada pela impossibilidade do clube em atender às exigências em relação aos novos reforços para a temporada. Daltro teria feito uma relação de uma série de contratações que deveriam ser realizadas, para que o clube pudesse lutar pela conquista do título do Campeonato Brasileiro, conforme os comentários existentes nos bastidores do clube.

A maior parte desses jogadores pretendidos pelo técnico estava numa faixa de preço bastante elevada coma qual o clube não poderia dispor no momento, depois de ter gasto cerca de 150 milhões de cruzeiros em contratações no ano passado.

Sem essas contratações, o treinador admitiu que não seria capaz de desempenhar o mesmo trabalho, exigido pelos dirigentes em termos de ambições em relação a conquista de títulos no próximo ano. Com isso o presidente Rubens Quintas e toda a diretoria resolveram demiti-lo contratando um treinador que consiga trabalhar com o plantel atual, talvez com um ou dois jogadores como reforço para o Campeonato Brasileiro.

A Segunda versão

Mas a versão apresentada pelo dirigente, tende apenas a acobertar a realidade dos fatos, já que segundo os comentários existentes na Vila Belmiro, o técnico, em férias por Porto Alegre, tentou negociar alguns jogadores do clube por sua própria conta, falando com os clubes gaúchos e do sul do país, como se estivesse autorizado a desempenhar essas funções.

Comenta-se que Daltro em Porto Alegre teria proposto a troca de João Paulo que não estava nos seus planos, por Baltazar, troca que teria sido aceita pelo Grêmio, mas recusada pelos dirigentes santistas, quando tomaram conhecimento das entubulações do técnico do Rio Grande do Sul. Outros jogadores também foram oferecidos para clubes do sul pelo técnico santista.

Todos aqueles que não estavam nos seus planos eram oferecidos, segundo os comentários, e isso desagradou profundamente os dirigentes santistas que já haviam afirmado que não venderiam algumas de suas principais estrelas, principalmente o ponteiro João Paulo, com o qual o técnico viveu um permanente conflito, enquanto esteve na Vila Belmiro.

Lógico que, essas informações não foram confirmadas pelo vice-presidente José Antônio dos Santos que tinha uma preocupação muito maior com a repercussão que o fato teria no dia de hoje em São Paulo, já que foi o principal responsável pela contratação de Daltro, sendo o seu grande defensor dentro da Vila Belmiro.

– Eu já estava até aborrecido de receber telefonemas semanais de Porto Alegre, com o Daltro perguntando as novidades em termos de contratações para a próxima temporada. Eu sempre respondia que as coisas estavam difíceis, os jogadores pretendidos estavam com os preços bastante elevados e que ele teria que trabalhar com o mesmo elenco, ou então pedir demissão, já que seus planos para o próximo ano não poderiam ser concretizados em termos de contratação de novos jogadores.

Jogadores com nova perspectiva

Não apenas o ponteiro esquerdo João Paulo deve ter ficado satisfeito com mais essa vitória sobre o treinador, mas quase todos os profissionais, principalmente aqueles que estavam com a situação ameaçada na Vila Belmiro, terá uma nova possibilidade de mostrar o seu valor para outro técnico que vier a dirigir a equipe.

Esse é o caso de Toninho Vieira que estava insatisfeito com a reserva de Chicão. E Washington, também passando férias, no Rio de janeiro, e sem contrato poderá ter uma nova chance na equipe, o mesmo acontecendo com os próprios jogadores da Taça São Paulo de Júniors que conquistaram o vice-campeonato recentemente.

Um novo técnico

O vice-presidente José Antônio dos Santos garantiu que um novo técnico será contratado até o início da próxima temporada e essa contratação acontecerá o mais breve possível, já que a diretoria pretende apresentar um plano de trabalho juntamente com a comissão técnica, antes do dia 7 de janeiro, data marcada para o retorno das atividades.

Os dirigentes não confirmaram o técnico de qualquer treinador, mas admitiram que entre Diede Lameiro, Carlos Alberto Silva, Jair Picerni, Pepe e o próprio Formiga do São Paulo poderá sair novo técnico.

– Vamos primeiramente nos reunir com todos os membros da diretoria para estudar nome por nome. Até que um desses técnicos seja contratado, nós não faremos nenhuma contratação de jogadores para o time. Vamos esperar uma definição dos planos do novo treinador e sua avaliação sobre as necessidades da equipe.

Eron Beresford continua

O mais importante para os dirigentes santistas será a manutenção do preparador físico Eron Beresford na direção da equipe no aspecto físico e atlético.

– Trata-se de um profissional da mais alta competência e que não tem nada a ver com a demissão de Daltro. Já conversamos com ele e pretendemos contar com o seu trabalho por muito tempo na orientação da equipe, independente do técnico que venha a ser contratado – comenta o vice-presidente.