Levir Culpi é mais uma aposta arriscada de Kalil; novo treinador do Galo, no 1° momento, tem que simplificar

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Levir Culpi só comandou o Cereso Osaka, do Japão, depois de sua última passagem pelo Galo faz mais de seis anos.

É difícil opinar a respeito do Levir Culpi de 2014.

Não sei se mudou conceitos sobre a armação do time e metodologia de trabalho; se fez isso, quais modificou; o que pensa hoje sobre o posicionamento das equipes; Se prefere times ofensivos e velozes no estilo de Cuca ou os de manutenção de bola como os de Autuori…

O Levir Culpi antes da longa passagem pelo país do sol nascente tinha virtudes, merecia ser chamado de competente, mas não estava entre meus favoritos.

Vi o treinador tomar algumas decisões erradas em momentos importantes, em especial na hora de alterar o time.

Não gostava da leitura de jogo dele ao longo dos 90 minutos.

O currículo sem tantas conquistas é consequência disso.

A Copa do Brasil de 96 pelo Cruzeiro foi a mais importante.

Levir passou três vezes pelo Atlético e em todas¨* viveu bons momentos.

Em 94 assumiu a equipe na repescagem do Brasileirão e a levou até as semifinais.

Em 2001 chegou na mesma do principal torneio do país e perdeu do São Caetano.

Em 2006 conquistou a segunda divisão nacional e o campeonato mineiro que o torcedor guarda com carinho por causa da goleada por 4xo contra a Raposa.

Alexandre Kalil o conhece porque presidiu o conselho atleticano quando Levir trabalhou no time.

A admiração do atual primeiro mandatário do clube pelo treinador não é nova.

A opção pelo experiente Levir Culpi é mais uma aposta arriscada de Kalil.

Ele fez algumas e perdeu, e outras, como em Ronaldinho, que eu na época não teria feito, e conquistou a Libertadores.

Esta de hoje eu também não faria, mesmo sabendo que o mercado de técnicos oferece poucas opções.

Agora é esperar para ver se o polêmico dirigente marcou um golaço ou chutou torto.

Relembro

Como escrevi no começo do post, não acompanho os jogos do campeonato japonês e por este motivo qualquer avaliação minha sobre o Levir de 2014 teria como referência apenas o que aconteceu anos atrás e pode, por isso, estar desatualizada.

Os profissionais evoluem, se acomodam, perdem qualidade…

A temporada qual dessas atitudes devem ser atribuídas ao novo técnico do Atlético.

Fundamental

Levir tem que pedir gravações dos confrontos do Atlético sob a direção de Cuca e montar o time para jogar de maneira parecida com aquela.

Os principais atletas da equipe, os pilares dela,  está acostumados a atuar assim.

Não se adaptaram ao estilo de Autuori.

O momento, por causa da falta de tempo para trabalhar, exige simplicidade ao invés de grandes novidades táticas.

Até a Copa do Mundo, todos os compromissos do Galo serão importantes.

¨Corrigido