Carta de palmeirense cobra mudança de política de Nobre

Leia o post original por blogdoboleiro

O documentarista Marcelo Kowalski, palmeirense desde pequeno, enviou ao Blog do Boleiro um manifesto onde faz cobranças ao presidente Paulo Nobre e até anuncia que será candidato no futuro. Formado em Rádio e TV, Direito, Pós-Graduado em Marketing Esportivo, Treinador de Futebol e de Futsal, Kowalski se diz “palmeirense apaixonado, indignado e envergonhado da balbúrdia que virou a Sociedade Esportiva Palmeiras o clube que amo acima da razão”.

Leia abaixo:

Excelentíssimo Senhor Presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras Paulo Nobre

É impressionante a capacidade desenvolvida pela Sociedade Esportiva Palmeiras e seus mandatários de perder e não valorizar seus jogadores, trazendo vergonha a torcida (maior patrimônio do clube).

Abrimos mão do Barcos em uma negociação obscura e questionável, fazendo com que um jogador tido até então como ídolo da torcida passasse a ser tratado como mercenário. Isto sem falar das "peças" que recebemos por EMPRÉSTIMO e pouco serviram, basta ver que sequer fizeram falta após o término de seus contratos, permanecendo apenas Leandro contratado em definitivo por mais do que vale.

Agoraperdemos Alan Kardec mesmo com a imensa capacidade de negociação do Sr. e seu colega CEO muito bem remunerad.E, ao que tudo indica, pode perder Wesley com sua inovação do tal bônus por produtividade. Concordo com sua propositura a jovens promessas e a jogadores que ainda precisam provar seu valor, mas para jogadores já consagrados, chega a ser um desrespeito.

Concordo que a realidade financeira é sofrível (dívidas contraídas por gestões anteriores, principalmente pelo acéfalo que o precedeu).

As questões referentes à Arena e a disputa "desnecessária" com a WTORRE também é algo muito mal explicado e com pouca disposição em resolver. Tive acesso não só ao contrato em sua íntegra, como também as propostas feitas ao Palmeiras e sumariamente recusadas pelo Sr., como se o PALMEIRAS e a ARENA fossem de sua propriedade.

As perguntas que ficam são:
1-Como construir um plantel se ao se destacar o jogador é cedido, dado ou vendido? 
2-Como ter ídolos que auxiliam as vendas se não se dá tempo de se tornarem ídolos? 
3-Para que um CEO de futebol muito bem remunerado se não existe orçamento para que trabalhe? 
4-Por que devemos aturar tal situação se somos a 2ª ou 3ª torcida de SP e os maiores campeões do Brasil?
5- Como maior campeão do Brasil por qual razão não temos a maior cota de TV? Ninguém fará valer nossa história e lutar por isso?
6- Com certo toque de ironia questiono também, caso o mais provável aconteça de ficarmos mais uma vez sem centro avante, quem assumirá a função, o Sr. Ou talvez Brunoro?

Peço que reflita, refaça as contas e ouça a voz das arquibancadas, esta voz é que transformou o Palmeiras no clube de história inigualável que é. Não tenho dúvidas de seu amor pelo Palmeiras, menos ainda do meu, pretendo um dia me tornar diretor de futebol dessa instituição. Me preparei, estudei, estagiei e trabalho a cada dia com esse objetivo que alcançarei desde que o destino me permita e o Sr. colabore da melhor maneira para o fim de nossa visível derrocada desde o fim da era Parmalat da qual me recordo com muita saudade e esperança de um amanhã melhor.

Por fim apoio sua gestão por ser das opções à época da eleição a melhor opção, mas talvez não o predestinado a devolver o Palmeiras a seu lugar de justiça e merecimento, o do maior, melhor e mais vencedor clube do Brasil.

Agradeço por sua atenção e me disponho a debater em alto nível qualquer assunto de interesse e relevância da Sociedade Esportiva Palmeiras

Saudações Palestrinas

Marcello Kovalski Balta