Levir é do Galo, mas o Galo não é o do Levir.

Leia o post original por K.O.N.G

Luís Fernando Cordeiro é Galo de corpo e alma. Op Logístico, estudante de Engenharia de Produção, ex-atleta profissional. Não torce para um time, torce para uma nação.  Siga no twitter: @luisfernando_4

***

O Galo começou… ou melhor, entrou em campo com time do Autuori: Victor, Alex, Léo Silva, Otamendi e E.Conceição. Pierre, L. Donizete, Ronaldinho e Tardelli. Fernandinho e Jô. O time reserva do Grêmio não compensa nem escalar, mas correram demais. E mereceram a vitória. Cumpriram o que Ederson Moreira pediu: marcaram pressão, deixaram que Pierre e Donizete tentassem sair jogando… disse “tentassem” porque nos últimos jogos nossos volantes mostraram que as limitações técnicas restringem as construções das jogadas. Mas não são maiores culpados pela derrota de ontem e nem pela má fase do Galo. O ataque está improdutivo. Não só pela falta de gols, mas pelas falta de criações. Tardelli e Fernandinho trocaram de lado de campo, se movimentaram, o que não foi suficiente. Ronaldinho e Tardelli precisam jogar! Sinceramente procuro explicações pelas últimas atuações das estrelas do Galo, não encontrei. Se a fase ruim fosse só técnica/tática, daria para entender, acontece. Mas falta comprometimento com as reposições defensivas, companheirismo para roubar a bola e sobra sonolência.

Alex Silva foi infeliz no segundo gol, tocou fraco na bola, mas não podemos crucificar uma promessa da base. Em contrapartida, isso nos mostra a importância de Marcos Rocha ao time. Alex não chegou à linha de fundo, se limitou a defender. No lado oposto, Emerson Conceição não foi muito diferente e nas vezes em que chegou na ponta esquerda, errava os cruzamentos. Ouso dizer: ainda estamos sem lateral esquerdo. Posso até me enganar, mas E. Conceição parece sem mobilidade, sem ousadia de lateral.

Pierre e Leandro Donizete correm feito loucos no meio campo, mas muitas vezes, volantes correrem muito não é sinal de produtividade. Significa que estão tentando roubar a bola do adversário… e quando precisam sair jogando são limitados.

Jô é típico centroavante, necessita que a bola chegue com qualidade para finalizar, o que não vem acontecendo ultimamente, mas tem sua parcela de culpa também: não ganha disputa de cabeça como antes, erra o passe de pivô quando consegue prender a bola… mas confio nele. Fernandinho não se omite e apesar de estar mal tecnicamente, ainda tenta. Ronaldinho não chegou em 2014, parece no mundo da lua, sem vibração, mais preocupado com a carreira musical. Para finalizar os comentários individuais: Tardelli. De uma vez por todas, ele não é meia. Não rende, busca a bola nos pés dos volantes, sai correndo com ela e procura alguém para dar o passe, sendo que o receptor do passe deveria ser ele. Tomara que Levir Culpi enxergue isso. Quando Marion e Guilherme entraram em campo na Colômbia deram outro ritmo ao time, mas acho arriscado, em termos de grupo, sacar os 2 de uma vez. Ontem, contra o Grêmio, quando Guilherme e Marion entraram no jogo, se perderam, porque André também foi a campo e o Galo ficou com Pierre e Guilherme no meio e 4 atacantes, igual Elifoot. Mas vejo Guilherme com vaga no time.

Quinta feira tem o jogo do ano. Os últimos jogos não são animadores e o tempo para Levir impor sua filosofia é curto. O trabalho psicológico será mais importante. Não creio em grandes mudanças táticas, esse time ainda não é do Levir, mas o Levir já é do Galo e temos que abraçar o time. Que a Massa recupere o clima de Libertadores do ano passado e transforme a Independência no maior terror das Américas!

Até a próxima!