Em 2013, Palmeiras arrecada menos da metade do que desafeto SPFC

Leia o post original por Perrone

No mesmo dia em que o presidente do São Paulo disse que o Palmeiras se apequena, por causa do episódio Alan Kardec, o clube alviverde publicou o seu balanço de 2013. Os números mostram uma diferença abissal nas receitas obtidas pelos dois rivais no ano passado.

O clube do Morumbi registrou uma receita operacional no futebol profissional e no amador de R$ 305,7 milhões, mais que o dobro da marca atingida pelo adversário. No mesmo segmento, os palmeirenses, que disputaram a Série B do Brasileiro, anotaram receita de R$ 137,7 milhões.

No total de receitas operacionais, contando todas as áreas do clube, o São Paulo também obteve mais de que o dobro do valor arrecadado pelo concorrente. Foram R$ 362,8 milhões dos tricolores contra R$ 176,8 milhões dos alviverdes.

A maior vantagem do São Paulo, no entanto, acontece no quesito venda de jogadores, graças à transferência de Lucas para o PSG. Foram R$ 147,9 milhões gerados pela negociação de atletas diante de apenas R$ 6 milhões com a venda de jogadores do Palmeiras.

Com publicidade e patrocínios entraram nos cofres são-paulinos no ano passado R$ 33 milhões, enquanto o adversário faturou R$ 24,4 milhões.

Em bilheteria, o Palmeiras bateu o rival por R$ 26,3 milhões x R$ 25,4 milhões. O alviverde também recebeu mais dinheiro da TV em 2013: R$ 76,29 milhões x R$ 72,28 milhões.

Nesta segunda, ao explicar a arrastada negociação com Kardec, o presidente palmeirense, Paulo Nobre, afirmou que briga por cada centavo para sanear as finanças do clube. E suas despesas operacionais foram pouco superiores a metade dos gastos do rival: R$ 175,2 milhões x R$ 339,3 milhões.

No âmbito interno, Paulo Nobre enxugou os gastos em  R$ 2,6 milhões.

A comparação entre os dois balanços também mostra que o Palmeiras teve um déficit de R$ 22,6 milhões, enquanto o São Paulo apresentou superávit de R$ 23,5 milhões.