Choque-presidentes

Leia o post original por Mauro Beting

Em dias de intolerância de todos os tipos, de preconceitos para todos os desgostos, brigar em tribuna de honra como se fosse no bar da esquina não pega bem. Por mais que as partes tenham razões e enormes emoções, melhor deixar para as redes antissociais o fla-flu frenético e histérico do choque-presidentes. O futebol anda sem graça. Mas não pode desandar para a violência pela virulência de torcedores-presidentes que têm sido mais torcedores quando devem ser mais presidentes, e que têm sido mais presidentes quando devem ser mais torcedores.