Convocação da Seleção não deve ter grandes surpresas

Leia o post original por Pedro Ernesto

É hoje a convocação da Seleção Brasileira para a Copa. Felipão não deve apresentar grandes surpresas porque, no ano passado, na Copa das Confederações, conseguiu montar um time competente. De lá para cá, não surgiram grandes valores capazes de modificar o pensamento do treinador ou da opinião pública. Não há um jogador reclamado de fora da Seleção.

Só para lembrar, em 2002, Felipão tinha dois melhores do mundo, Ronaldo e Rivaldo, e um que logo seria, Ronaldinho. Neste momento, não temos nenhum. Nosso grande craque, Neymar, nem sequer consegue ser titular absoluto no Barcelona.

Temos muitos problemas no gol, temos muitos problemas na posição de centroavante, temos muitos jogadores reservas em suas equipes. Devemos concluir que a Seleção precisará muito do seu treinador pela falta de recursos para nos diferenciar das demais seleções.

Fator local

Se não temos os grandes craques de outras Copas, temos o fator local a favor. Os jogos da Seleção Brasileira tiveram todos os ingressos vendidos, o que nos faz prever que as partidas terão torcida grande e rumorosa. Como se sabe, fator local ganha jogo. Basta olhar os jogos do Brasileirão para se ver que, quase sempre, os mandantes têm vantagem sobre os rivais. Luiz Felipe Scolari sabe muito bem usar isso, convocando os torcedores para apoiar os jogadores.

Goleiro

Felipão se precipitou quando, no ano passado, anunciou Júlio César como nome certo na equipe. Esse goleiro já foi mal na Copa de 2010. De lá para cá, só piorou. A ponto de ser reserva de uma equipe da segunda divisão inglesa, o Queens Park Rangers. Ultimamente, joga em um time do Canadá, na Liga Americana. Júlio César não nos dá nenhuma segurança do alto de seus 34 anos.

Centroavante

Essa é outra posição que tira o sono do técnico da Seleção Brasileira. Quem já teve Ronaldo, Romário, Careca, Jairzinho e outros sabe que Fred é muito menos. Ele se lesiona com facilidade, tem idade avançada e não tem bom comportamento profissional. Pior ainda é seu reserva. Jô não passa de um jogador comum e de comportamento também preocupante. Não tenho certeza de que Jô deva ser convocado. Até levanto a hipótese de Alan Kardec, que seria opção para o jogo aéreo, em momentos de complicação em jogos eliminatórios. Felipão viveu grandes momentos com Jardel no Grêmio, atirando bolas altas para a área. Será que pensa o mesmo agora?