Menos preocupação com fofoca, mais preocupação em contratar jogador

Leia o post original por diego simao

Nas vésperas de mais um jogo do Figueirense pela Copa do Brasil o clube amanheceu pichado. As palavras de ordem já são comuns: “Fora Pastana”.

Do time, pouco se fala, o cenário é dominado pela crise interna iniciada pelo próprio Pastana com a demissão de Vinícius Eutrópio. Muita gente até concordou com a saída de Eutrópio, que apesar do título, não vinha bem. Somente em momentos raros mostrou o fino da bola. De qualquer maneira, Vinícius foi uma treinador de resultados. Venceu estadual e conquistou o acesso.

Mas isso já passou. Pelo menos deveria ter passado.

Novo treinador na casa, perdeu mais uma, hoje é seu segundo jogo, mas o extra-campo ainda domina as conversas alvinegras. E o centro das atenções, vocês sabem quem é.

Pastana vem se expondo demais nas redes sociais. Poderia ter ficado quieto e deixado o resultado de seu trabalho aparecer. Ou pelo menos, não reverberar ainda mais sua decisão polêmica.

Ao contrário disso, iniciou uma busca por quem estaria “fofocando” pelo Scarpelli. No fim, chegou a demitir Periquito, roupeiro do clube e trouxe um de sua confiança.

A guerra interna que chegou até às arquibancadas. Chegou a chamar torcedor para o clube sob a justificativa de querer sabem quem era “fofoqueiro” e vazava as informações internas. Isso tudo sem contar as respostas em redes sociais e até mesmo conversas com torcedores que ficaram públicas.

O mais engraçado, no final, é que Pastana expos muitas informações internas do Figueirense. Marcos Assunção desmentiu o cartola e até mesmo Ricardo Bueno em entrevista falou que o churrasco era mesmo uma despedida para Eutrópio. Afinal, quem é o fofoqueiro mesmo?

O clima é péssimo, e infelizmente, cada acontecimento neste ano lembra o terrível 2008. Venceu estadual com um time ruim e caiu após tirar Gallo do clube. Toc, toc, toc na madeira!

Realmente não dá para entender como um time que ganhou um estadual e conquistou o acesso está nessa lama toda. O presidente precisa agir ou logo o Figueirense vai ladeira abaixo.

Mas dentre isso tudo, é muito certo que o “fofoqueiro” não jogou no meio de campo. O “fofoqueiro” não faz falta na lateral esquerda. Em síntese: com toda certeza do mundo, não é o fofoqueiro que influi mais no desempenho em campo do que a falta de atletas de reposição.

Abraço do Tainha