Futebol brasileiro deu vexame na Libertadores

Leia o post original por Pedro Ernesto

Foi um vexame a participação dos brasileiros na Libertadores. Eram seis representantes e hoje não temos nenhum. Nossos times pagam fortunas para jogadores medíocres. Estão todos endividados, beirando a falência, não conseguem formar um time de futebol, pelo menos, razoável. Nem mesmo o Cruzeiro, de grande campanha no ano passado, conseguiu se repetir nesta temporada.

Treinadores que ganham salários europeus e nada conduzem de novidades para nossos clubes. Qualquer timezinho, de qualquer país sul-americano, pagando dez por cento do que pagam nossos clubes, consegue enfrentar e ganhar dos brasileiros. De que adianta gastar tanto para ter resultados medíocres. Acho que chegou a hora de nossos dirigentes, a maioria irresponsáveis, fazer uma autorreflexão, tentar promover a formação de jogadores, deixar de investir em veteranos que voltam milionários da Europa já desgastados. Enfim, mudar o conceito diretivo.

Salários

Um grande jogador argentino ganha R$ 60 mil por mês. Nos outros países ganham menos ainda. Times bolivianos, onde os salários são baixíssimos, conseguem fazer campanha numa competição onde os jogadores milionários do futebol brasileiro fracassam. A formação de jovens talentos nos leva para a necessidade atual. Não há grandes jogadores para contratar. Não existe o jogador que faça diferença. Contratações perturbam muito o caixa do clube, nunca o adversário. De que adianta gastar muito quando os resultados são mínimos.

Seleção

Ainda bem que nossa Seleção, mesmo longe de repetir as que a antecederam, tem qualidade. Não é um super time, mas tem futebol para encarar os outros adversários. Ainda vai contar com o fator local. Temos problemas no gol, onde o preferido de Luiz Felipe não agrada a ninguém, e temos problemas de centroavantes. Não existe o grande craque, o melhor do mundo na atualidade do futebol brasileiro. Temos Neymar, sem a certeza de que ele vá arrebentar na Copa. Se o fizer, o Brasil terá grande chance de ser hexa.

É demais

Os colorados estão cada vez mais maravilhados com os quatro jogadores de meio escalados pelo técnico Abel Braga. Eles são maravilhosos. Mas se diz que contra um adversário cascudo, alguém vai ter que dar lugar a um volante. O ficha um seria Alan Patrick, mas este jogador, por vezes, também encanta o torcedor.

Sendo assim, penso que o melhor para o Inter é encarar qualquer adversário com esta formação dos quatro tenores deixando o problema para o adversário. Com a valorização da posse de bola, o Inter pode ser capaz de enfrentar quem aparecer pela frente, seja qual for a sua qualidade.