O que esperar de Marcelo Veiga?

Leia o post original por Luiz Nascimento

Ainda há 32 rodadas a serem disputadas nesta Série B de Brasileirão e um recesso para a disputa da Copa do Mundo. Nesta divisão, sejam quais forem as circunstâncias, a história da Portuguesa obriga o clube a perseguir sempre o acesso. Enquanto a diretoria brada a todos os cantos que não há dinheiro, tempo há de sobra para uma recuperação. Exemplos disso temos aos montes, como o Figueirense no ano passado. O que falta, verdadeiramente, é profissionalismo e competência no clube.

Qual o foco da atual diretoria? Tentar uma reviravolta para lutar pelo acesso ou simplesmente brigar para não cair à Série C? Isso se o objetivo não for rebaixar o clube de uma vez, já que o esforço feito até então é tremendo. É com base no objetivo de um clube que se traça um perfil de técnico a ser contratado. Marcelo Veiga foi oficialmente anunciado como o novo treinador da Lusa. O contrato tem validade até o final da temporada. O que esperar?

Quando ainda atuava nos gramados como lateral-esquerdo, Marcelo Veiga integrou o elenco luso em 1996. Chegou a voltar ao Canindé já como treinador, mas para atuar nas categorias de base. O grande destaque da carreira de técnico sempre se deu no Bragantino, com acesso à Série A1 do estadual, semifinal de Paulistão, vice da Copa FPF e campeão da Série C do Campeonato Brasileiro. Tirando o time de Bragança Paulista – onde já foi apelidado como Ferguson do Interior por ficar anos a fio no mesmo clube – nenhuma passagem muito marcante.

Marcelo Veiga é conhecido por montar times fechados, compactos, coadjuvantes nas competições e, na maioria das vezes, lutando para não cair. Mostrou-se fiel ao 3-5-2 em praticamente todos os clubes pelos quais passou e é conhecido muito mais como um técnico para tentar tirar o clube da degola do que para buscar o acesso. É daqueles treinadores que têm profundo apreço por determinados jogadores, indicando atletas à exaustão e tendo figurinhas carimbadas em seus times.

Confesso que o anúncio de Marcelo Veiga como treinador da Lusa não me animou. Muito pelo contrário. Porém, nunca gosto de criticar demais antes de ver o trabalho, por mais que o histórico e a expectativa não ajudem. Torço para que seja como Geninho, cuja contratação critiquei por um dos motivos coincidentes: vinha de um clube na mesma situação e de um trabalho nada bom. Só que ele me surpreendeu.

Da bagunçada, incompetente e incapaz diretoria da Portuguesa pode-se esperar tudo. Marcelo Veiga, assim como qualquer outro treinador, precisa de reforços para tocar o elenco. E algumas mudanças consideráveis precisam ser feitas. Espero que o estilo do técnico ajude a estruturar a ridícula defesa rubro-verde, que ainda precisa de um zagueiro de verdade para jogar ao lado de Luciano Castán. Depender apenas da correria de Xavier no meio e de um ataque que não sabe marcar gols são outros dois fatores que precisam de mudança.

 

Glédson nunca mais pode ser visto no gol da Portuguesa. Sua qualidade jamais foi defensável. Porém, após as últimas desastrosas atuações, não dá. Não importa o quanto ganhe de salário, uma queda à Série C é muito mais prejudicial. Ninguém diz que Tom é uma muralha, é o goleiro do século, é perfeito, é um baita jogador. Mas, melhor que Glédson ele é. E precisa de continuidade, ritmo, confiança, não esse iô-iô ridículo. Que a vergonha sofrida em Pernambuco sirva de lição para os pseudo-entendedores de futebol que dirigem o clube.

Enfim, tudo isso faz parte das discussões do que acontece no gramado, na bola. As mexidas na Portuguesa precisam ser muito mais profundas. Passam por uma mudança na postura omissa do presidente, por uma limpa nos “velhos conhecidos” que há tempos assassinam o clube, por uma seriedade do Conselho Deliberativo e por uma mentalidade nova na diretoria. Ou seja, o clube precisa de uma revolução. O problema é que ela só surtirá algum efeito caso a Lusa ainda exista. E ela só vai existir se, ao menos, não cair. Pela mentalidade dos pseudo-entendedores de bola do Departamento de Futebol, a queda é inevitável. Que Marcelo Veiga realmente seja uma surpresa. Precisa surpreender muito, por sinal.