Responsabilidade de ser campeão é do Real Madrid; Diego Costa, mesmo machucado, começará jogando

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

O peso sobre o Real Madrid

Na semifinal, o Real Madrid abriu mão da posse de bola e deu um baile no Bayern de Munique.

Hoje, na decisão, a equipe milionária ficará mais tempo com ela que o seu rival de personalidade forte, sangue quente e bem menos abastado.

Não creio que Simoene cometerá o improvável e pouco inteligente erro de mudar a forma do Atlético atuar.

Se confirmado o óbvio, apenas no caso de algum madridista ser expulso o time inferior na parte técnica terá a iniciativa de atacar.

Talvez nem assim.

Dar o contragolpe aos comandados de Carlo Ancelotti será um suicídio futebolístico.

A proposta de jogo ‘colchonera’ não tem segredos.

A máquina de marcação vai priorizar a parte defensiva, usar muito os lados do ataque e apostar no cruzamentos.

Tentará cavar faltas e conseguir escanteios, pois assim Miranda e Godín, seus zagueiros, podem tentar o cabeceio.

Se Diego Costa realmente não puder entrar em campo, Villa deve substituí-lo.

É o único atleta do elenco que já conquistou o torneio.

A experiência pesa na hora da pressão extrema.

O Atlético de Madri, com seu jeito e alma de quem disputa a Libertadores, apelará para a catimba, entradas duras e tudo mais que puder no intuito de manter a invencibilidade e comemorar a façanha de conquistar a Uefa Champions League.

Muitas lágrimas serão derramadas dentro e fora campo se tropeçar no último passo antes da glória máxima na Europa, mas a temporada, sem dúvida, já entrou para a história como vencedora.

A responsabilidade maior no duelo de logo é do Real Madrid de Cristiano Ronaldo, ganhador da bola de ouro, Bale, protagonista da transferência mais cara do futebol, e de diversos atletas de seleções.

Eles perderam o campeonato nacional.

Só falta permitirem que o capítulo mais importante dos 109 anos de história do dérbi da capital espanhola seja encerrado com a vitória da agremiação acostumada a perdê-lo.

E aí, Ancelotti?

O Real Madrid pode atuar no 4-4-2 ou no 4-3-3.

A necessidade de atacar mais sugere a segunda opção com Cristiano Ronaldo e Bale nos lados do ataque.

O galês terá que voltar e formar a linha quatro no meio de campo.

Os laterais Carvajal e Coentrão precisam de proteção e o Atlético de Madri não pode se aproximar da área para tentar os cruzamentos.

Apostas

Xabi Alonso está suspenso.

Ele, Ronaldo e Casillas são os únicos do elenco que já foram campeões da UCL.

Os merengues perdem experiência e seu melhor volante.

Aposto em Illarramendi no lugar dele.

Khedira e Casemiro são as outras opções.

A ausência do principal marcador no meio é preocupante para o time que vai atacar.

Meu palpite é Real Madrid campeão.

No L!

O texto deste post é a a reprodução da minha coluna de hoje no Lance.

Escrevo sempre aos sábados no jornal.

Apenas hoje abri a exceção e postei, aqui, o texto no mesmo dia.

Costumo fazê-lo durante a semana ou depois.

Ou, de vez em quando, sábado à noite.

Definidos

As escalações acabam de ser definidas.

Ancelotti optou por Khedira no lugar de Xabi Alonso.

O escolhido tem mais experiência que Illarramendi, mas não joga uma partida inteira desde novembro, quando se machucou, e nem primeiro volante.

No Atlético de Madri, Diego Costa e Villa começam entre os titulares.

Arda Turan, que também tem sofrido por causa de uma lesão, fica no banco.

Simoene deve posicionar a equipe no 4-4-2 e um dos atacantes, provavelmente o Villa porque o brasileiro naturalizado espanhol certamente joga no sacrifício, vai recuar quase sempre para ajudar o meio de campo a marcar o favorito ao título.