Batendo papo: Impedimento

Leia o post original por Gaciba

Regressei ontem a noite ao Brasil e recebi muitos questionamentos a respeito de lances de interpretações sobre impedimentos marcados, ou não, no campeonato brasileiro.

Fico contente que nossos visitantes queiram, acima de tudo, ENTENDER a lei do jogo, discutí-la, questioná-la, estamos aqui exatamente com este objetivo; levar esclarecimentos a você, leitor deste espaço e aprender junto com suas visitas. Caso algo que você queira saber ou discutir não esteja  ao meu alcance, procurarei incansavelmente alguém que possa NOS esclarecer.

O assunto e minhas opiniões não são definitivos, ou seja, fica a vontade para concordar ou discordar e sugerir novos lances se for o caso. Não falarei em nomes de assistentes, árbitros ou até mesmo de clubes. A intenção é que possamos nos aperfeiçoar na regra XI.

Então, vamos conversar sobre o tema com exemplos práticos:

1.

Jogada interessante. Veja o que devemos observar! No momento do chute a gol que atinge a trave é o momento em que a imagem deve ser congelada para o assistente. Há dois jogadores em “posição de impedimento”. A bola desvia num defensor antes de bater na trave mas a origem segue sendo o chute. Após bater no travessão, o atleta número 26 corre em direção a bola e claramente disputa o lance com o goleiro. Portanto, neste caso, o atleta deveria ser sancionado por impedimento por ganhar vantagem de sua posição interferindo no adversário quando disputa a bola com ele. A coisa é tão complexa que, caso ele somente corresse em direção a bola ou fizesse movimentos sem disputá-la a jogada deveria prosseguir normalmente.

2.

Didaticamente este lance é bem legal. Vejam que o lançamento vai para a esquerda, para um jogador em posição legal mas, no meio do caminho, como foi muito bem narrado, a bola desvia (rebota) em um defensor e sobra para um atacante. Independente de “para quem” a bola foi passada, neste lance a discussão é: Quem é a origem? Na minha opinião a decisão é acertada pois a origem é o passe do atacante. A bola chaga repentinamente ao defensor e bate nele sobrando para o atleta adiantado. Como seria diferente? Caso este passe fosse mais fraco e o defensor estivesse longe da bola, corresse até ela e desse um carrinho aí ele seria a nova origem do lance pois teria jogado de forma “deliberada” a bola para o adversário. Novamente, detalhes habilitam ou não um atleta.

3.

Este gol mostra bem como o conceito de impedimento mudou e já está assimilado. Hoje, gestos e movimentos de atacantes ou adversários não significam impedimento. No lançamento para a direita claramente há um atleta em posição de impedimento que tira a atenção e até faz com que os movimentos da defesa sejam balizados nele mas, claramente não disputa a bola com ninguém, portanto não pode ser sancionado. Depois disso, há uma nova jogada e aquele atleta, outrora em posição está atrás da linha da bola e habilitado para jogar. Gol legal.

4.

Este é outro exemplo legal. Há algum tempo, Tinga seria punido por impedimento, hoje, não mais. Vejam que ele está em posição de impedimento no chute de seu companheiro e chega a correr em direção a bola na defesa do goleiro mas, não disputa esta bola efetivamente, portanto, não está impedido. Gol legal.

5.

Já neste lance há um erro de interpretação. O atleta que cabeceia a bola está em posição legal no momento do passe e este gol deveria ser validado se a bola tivesse entrado. O outro atacante está em “posição de impedimento” mas seu deslocamento não caracteriza infração. Perecebem a diferença em relação ao passado? Por lances como esse, é que a FIFA cada vez mais bate na tecla de “ver e esperar” para seus assistentes.

Originalmente o post tem 5 lances mas estou esperando mais jogadas… escreva aí que comentaremos…