Copa do Mundo sem Racismo. Uma Copa do Mundo é feita de belas jogadas e passes, mas, acima de tudo, igualdade. A habilidade não tem raça nem cor, assim como a paixão pelo futebol!

Leia o post original por Milton Neves

Publieditorial

Uma Copa do Mundo é feita de belas jogadas e passes, mas, acima de tudo, de igualdade. A habilidade não tem raça nem cor, assim como a paixão pelo futebol.

E nesta Copa, que será a Copa das Copas, todos nós devemos vencer juntos a luta contra o racismo. Vamos fazer do maior espetáculo da terra um símbolo mundial desta causa.

adilio_zico

Adílio e Zico

A maior competição esportiva do planeta não pode ter preconceitos e um país tão bonito e diversificado com craques ambidestros, inteligentes, esperto, instintivos, corajosos e de etnias diferentes. Porque o nascedouro de habilidosos jogadores é intimamente fortalecido pela fé, esperança e a paixão pelo futebol, que nos mais longínquos rincões ou na esquina mais próxima da sua casa, nasceu, nasce e nascerá o homem que o esporte escolheu para fazer você, sua família, a cidade que você mora e o seu país feliz, sem privilegiar cor ou raça, afinal nos gramados todos são iguais até que a habilidade distingue o craque do jogador.

peleeriva

Pelé  e Rivellino

Nelson Rodrigues já dizia: “que o Brasil é uma descoberta contínua e deslumbrante” e o que seria do futebol brasileiro se não tivesse as duplas de ataque formadas por negros e brancos? Por acaso, o Brasil chegaria a semifinal da Copa de 38, se Leônidas da Silva não jogasse ao lado de Perácio? E se em 1970, não tivéssemos o Rei do Futebol, Pelé, jogando ao lado de Rivellino? E o Cruzeiro seria o mesmo se não tivesse em sua história Tostão e Dirceu Lopes? O Flamengo, que tem a maior torcida do mundo, vibraria o país se Zico e Adílio, tivessem jogado em épocas distintas? O Grêmio seria campeão do mundo em 1983, se Renato Gaúcho não tivesse a inteligência de Paulo César Caju? Romário e Bebeto, em 1994, sem essa dupla, a Seleção teria levantado o tetra?

Nesta Copa do Mundo que a igualdade prevaleça, sem diferenças, tanto no esporte brasileiro ou em qualquer circunstância, o Brasil é um só, não é cor e nem a raça que faz a diferença.

#copadascopas #copasemracismo