Devolvam a nossa Portuguesa!

Leia o post original por Luiz Nascimento

Desde que me conheço por torcedor da Portuguesa – para não dizer desde que nasci – ouço ventilarem a mudança de nome do clube. Os principais argumentos sempre foram as represálias que a Lusa sofre no futebol brasileiro por carregar no nome uma menção direta a Portugal e a dificuldade para angariar um grande número de torcedores visto que há uma limitação ligada a ascendência. Sempre respeitei e continuarei a respeitar quem é favorável à mudança, porém, sou extremamente contrário e não vejo absolutamente nada de plausível ou positivo nisso.

Desde que comecei a escrever sobre a Portuguesa em blogs – e isso faz uns seis ou sete anos – nunca publiquei nenhum texto sobre o assunto. E há um motivo: o simples fato de cogitar uma mudança de nome, para mim, é completamente estapafúrdio e sem sentido. E por que estou levantando o tema agora? Porque justamente no momento em que a torcida lusitana mais espera da diretoria posicionamento, mudança, atitude e melhora, o site oficial do clube lança uma enquete pedindo aos torcedores que sugiram novos nomes. Após uma péssima repercussão entre os torcedores nas redes sociais, obviamente, excluíram a mensagem do site e tiraram a página do ar. Os responsáveis pelo excelente Portal Lusa News, por exemplo, criaram até uma petição contra a mudança (http://bit.ly/1lUF8lv).

Vivemos um momento no qual apenas uma coisa está em jogo: a sobrevivência do clube. A não ser que o objetivo seja realmente acabar com ele, mudar de nome não tem qualquer nexo. Acabar com o Associação Portuguesa de Desportos é enterrar o clube de uma vez por todas. A única coisa que mantém a Portuguesa de pé é o fato de ela ser a Portuguesa. A Lusa tem história, tem camisa, tem tradição, tem ídolos e sempre merecerá respeito. Ao contrário da diretoria incapaz, incompetente, covarde, omissa e amadora. É preciso dissociar uma coisa da outra.

Que o clube precisa começar do zero não há dúvidas. Porém, começar do zero tendo uma razão de ser. E qual é a razão de ser? O passado. Mudando de nome, perdemos tudo o que ainda nos resta. Perde-se a identidade, perde-se a história, perde-se o diferencial, perde-se a torcida. Não há muita? Mudando, não haverá nenhuma. Somos sim o clube de colônia, somos sim uma torcida familiar, somos sim um grupo seleto e pequeno. E desde quando isso é ruim? Isso é diferencial. Orgulho de ter tradição não tem absolutamente nada a ver com retrocesso, egoísmo e pequenez.

Mudar de nome é criar um clube do nada. E qual clube do nada dá certo? Há exemplos? Pois é. Não há. O lado do clube-empresa é totalmente louvável (e não só pode como deve existir na Portuguesa que se chama Portuguesa), mas jamais será um clube com torcida, com história e com respeito. É um clube oco. Como um Barueri que vai para Guaratinguetá que vira Americana e que depois se torna Prudente. Ou como um Audax que nunca teve, não tem e jamais terá torcida. Que respeito têm? Nenhum. Se a intenção é aumentar a torcida, mudar o nome é trilhar um caminho totalmente inverso. Se não torcem hoje por identificação, história e tradição, vão torcer para um clube vazio por qual motivo? Nenhum.

Quem quer torcer para um clube apenas para vê-lo campeão todos os anos, soube desde sempre que não havia motivos para torcer para a Portuguesa. E isso não é frase de derrotista, é algo completamente natural. Uma coisa é ter um time respeitado, competitivo e honroso, como sempre tivemos em nossa história. Outra é o que temos hoje. Portanto, o que se precisa mudar é o time, não o nome. Quem quer torcer para um clube com uma torcida gigantesca então, meu Deus, o que está fazendo na Lusa? Alguma vez na história do clube isso foi objetivo? E nem deve ser. E diferencio novamente: uma coisa é não ter nenhuma torcida, destino para o qual rumamos por péssimas administrações (não pelo nome), outra é não ter uma torcida de massa. Qual a vergonha por não ter?

Ninguém é obrigado a torcer para a Portuguesa. Um pai ou outro pode até ter obrigado o filho a ser torcedor, mas a pessoa cresce e não tem que viver dessa forma para sempre. Respeito demais quem tem argumentos. Repito: respeito demais quem tem argumentos. Sei que serei ofendido nos comentários, mas não estou ofendendo ninguém que queira o bem do clube. Se quer o bem do clube e é a favor da mudança de nome, por mais que eu não concorde, respeito inteiramente. Mas, quem simplesmente não gosta do nome, que torça para outro clube. A Associação Portuguesa de Desportos nasceu antes de todos os seus torcedores. Ninguém tem o direito de mudar o nome do clube. Deixem a Portuguesa para quem a ama, mas não queiram prostituí-la e acabar com uma história construída na base de muito suor, dedicação e dignidade.

Há laranjas podres? Que se elimine. Há problemas? Que se resolvam. Há pessoas que envergonham o nome da colônia? Elas é que devem ser expurgadas, jamais o nome da instituição. Se não gosta do nome, se não gosta de Portugal, se não está contente com o fato de não ser um papa-títulos e se quer uma torcida monstruosamente grande, a Portuguesa não é o lugar. E se quer começar um clube do zero, sem história, sem base e sem conteúdo – que é o que aconteceria caso a Lusa mudasse de nome – reúna colegas e crie um time por aí. Porém, não queiram acabar de vez com a Portuguesa. Se é para morrer, que morra como Portuguesa.

Eu torço pela Portuguesa porque ela se chama Portuguesa. Eu torço pela Portuguesa porque me identifico com a Portuguesa. Eu torço pela Portuguesa e tenho orgulho de ser Portuguesa. Sim, a Associação Portuguesa de Desportos. De Julinho Botelho, Brandãozinho, Djalma Santos, Ivair, Leivinha, Félix, Enéas, Badeco, Xaxá, Dicá, Wilsinho, Dener, Capitão, Zé Roberto, Leandro e tantos outros. A Lusa da Tri Fita Azul, dos Rio-São Paulo e de tudo que ela já conquistou.

São 93 anos de história que não podem ser desvirtuadas pela incompetência de uma dúzia. É o orgulho de uma tradição que não pode ser confundida com retrocesso, ignorância, interesse e sede de poder. Queremos estrutura, profissionalismo, transparência, time de qualidade e vitórias, mas queremos na Portuguesa.  Criem o clube que quiserem onde bem entenderem, mas antes devolvam a nossa Lusa. Devolvam para a nossa torcida. Porque a Portuguesa não é dessa minoria que está no poder. A Portuguesa somos nós, todos os torcedores.