Marinho Chagas

Leia o post original por Mauro Beting

thumb_brasil_x_holanda__marinho_chagas_sera_homenageado_em_natal_172010-164811-1

 

 

 

 

 

 

 

 

Não foi o melhor lateral-esquerdo do Botafogo.

Ou foi – que Nilton Santos é Enciclopédia.

Não foi o melhor lateral de uma Seleção que, além de Nilton, teve Roberto Carlos e Júnior, por exemplo.

Não foi o melhor destro a atuar na esquerda, como muito bem sabem Nilton e Júnior.

Certamente não era o lateral que melhor marcava, como mal soube Leão, em 1974.

Mas, com a bola aos pés, partindo em velocidade pela esquerda, driblando como se fosse mais um ponta que um lateral, foi um dos melhores da posição em 1974 – e numa Copa com Breitner, que era craque, Krol, que era ótimo, e Facchetti, que foi eliminado na primeira fase.

Cobrando falta era impressionante. Como outros também foram. E mais que ele.

No futebol potiguar, não houve jogador igual.

Na lateral, insisto, outros foram melhores, mais completos, mais laterais.

Mas poucos divertiram e se divertiram tanto.

Poucos fizeram as magias e truques da Bruxa de General Severiano.

Um jogador que tinha de ser ídolo do Botafogo, pelas características peculiares do clube e do jogador.

Um cara diferente. Extremo. Exaltado. Externo. Exalava espírito indomável.

A chaga de Marinho pela vida pós-bola cobrou preço. Viveu como jogou. Jogando-se. Desafiando. Não ficando preso. Soltando-se.

Espírito livre, futebol libertário.

Podia não ser o mais confiável dos jogadores. Mas o jogador, por definição, vive no risco. No limite. No riso. No choro.

Marinho viveu para isso.

Morreu por isso.

Mas segue vivo em quem viu.