Neymar, Oscar e a arbitragem na vitória do Brasil diante da Croácia

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Brasil 3×1 Croácia

A estreia da seleção brasileira foi difícil, tal qual o momento de preparação do time sugeria.

A equipe oscilou durante os 90 minutos.

Felipão teve que mudar o posicionamento de alguns atletas para fortalecer o sistema defensivo.

O erro da arbitragem no gol da virada foi muito importante para a vitória brasileira, ou derrota da Croácia de acordo com o ponto de vista.

Neymar e Oscar foram os destaques do jogo.

Aproveitou os erros

A Croácia jogou com no 4-4-2.

Começou a marcação na linha que divide o gramado, fechou espaços dali para trás e apostou nos contragolpes.

O quarteto do meio-de-campo foi o pilar do sistema de jogo do adversário brasileiro.

Modric e Rakitic, os mais técnicos, atuaram no centro, como volantes que podiam apoiar, enquanto Perisic, na direita, e Olic, na esquerda, protegiam os laterais e faziam as jogadas de velocidade, pelos lados, quando o time recuperou a bola.

Assim a equipe do sudeste europeu criou um lance de perigo logo no começo, no qual Perisic conseguiu cruzar com liberdade, pois Marcelo não marcou direito, e Olic, de cabeça, após erro de Daniel Alves ao tentar subir com ele, quase fez 1×0.

Pouco depois, o lateral-direito brasileiro nem estava no lance em que Olic cruzou e Marcelo fez o gol contra.

Correção

Felipão, ao ver os buracos dos lados do sistema defensivo brasileiro, modificou o posicionamento do trio criativo do 4-2-3-1.

Hulk que iniciou na direita foi para a esquerda; Oscar saiu do centro e passou a atuar na direita; Neymar que estava na esquerda ganhou liberdade para buscar espaços e criar os lances de gol.

O barcelonista não precisou mais voltar e ficar em frente ao Marcelo. Hulk ficou encarregado disso, assim como Oscar de fazer o mesmo do lado de Daniel Alves.

O Brasil cresceu no jogo e foi melhor até o fim do 1° tempo.

Oscar e principalmente Neymar começaram a se destacar.

Fundamental

É vital para a seleção brasileira o acerto da marcação na saída de bola.

A melhora na parte física e o entrosamento vão permitir ao time repetir aquilo que tão bem fez na decisão da Copa das Confederações.

Diante da Croácia, o Brasil não conseguiu pressionar tal qual precisava.

Mesmo assim, recuperou, em todo jogo, a dita cuja 6 vezes no campo de defesa da Croácia.

E desta meia dúzia de acertos nasceram os três gols da virada.

O de empate, feito por Neymar no chute de fora da área, aconteceu após Oscar recuperar a redonda e tocar para ele.

Os melhores

Neymar e Oscar, os protagonistas do gol, foram os melhores da estreia brasileira.

Oscilando

Após terminar bem o 1° tempo, seria normal o Brasil retornar do período de descanso pressionando e mandando no confronto.

Não aconteceu.

O jogo foi equilibrado, apesar de os europeus repetirem tanto a proposta de jogo quanto o posicionamento.

Trocas

Insatisfeito com o desempenho de Paulinho, que pouco ajudou na parte ofensiva e não deu ao Brasil a qualidade necessária na saída de bola, aos 15 minutos Felipão colocou Hernanes no lugar do volante do Tottenham.

Aos 22 foi a vez de Bernard substituir Hulk para tentar aumentar o poderio ofensivo do Brasil.

O titular tende a trazer a bola para a perna esquerda e atuando deste lado em regra aposta nas jogadas de linha de fundo.

Bernard é mais leve e versátil. Arrisca menos chutes de longa distância e tem dificuldade para entrar na área e tentar o cabeceio, mas dribla para ambos os lados e estava descansado.

Erro gigante

O jogo estava equilibrado e difícil para o Brasil, mas o árbitro Yuichi Nishimura fez aquilo que os comandados de Felipão não conseguiam.

Erro de maneira grosseira ao soprar o pênalti em Fred.

Não era possível sequer desconfiar que houve a irregularidade.

Neymar cobrou mal, o goleiro Pletikosa tocou na redonda e viu ela ir para o fundo do gol.

Adiantou a marcação

Após sofrer a virada, a Croácia adiantou todo o time.

Passou a marcar a saída de bola e foi ao ataque com 7 ou 8 atletas.

Obviamente, deixou espaços para os contra-ataques do Brasil.

Aos 45, Oscar, de fora da área, depois, repito, de outra bola roubada pelo Brasil no campo de defesa croata, ampliou a vantagem e garantiu os 3 pontos.

Importante

México e Camarões são piores que a Croácia.

O Brasil deu passo muito importante para terminar na liderança de chave.

A tendência é que o time de Felipão atue melhor nos próximos jogos.

Ficha do jogo

 

Brasil – Júlio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo e Paulinho (Hernanes); Hulk (Bernard), Oscar e Neymar (Ramires); Fred.  Técnico: Luiz Felipe Scolari

Croácia – Pletikosa; Srna, Corluka, Lovren e Vrsaljko; Rakitic, Modric, Perisic e Olic; Kovacic (Brozovic) e Jelavic (Rebic). Técnico: Niko Kovac

Árbitro: Yuichi Nishimura (JAP)
Assistentes: Toshiyuki Nagi (JAP) e Toru Sagara (JAP)