Sem Teixeira na arbitragem da Fifa, CBF fica insegura em guerra no apito

Leia o post original por Perrone

Na primeira Copa sem Ricardo Teixeira no Comitê de Arbitragem da Fifa, a CBF já tem que lidar com uma crise justamente nessa área. Após vencer a Croácia com um pênalti duvidoso, a seleção brasileira precisa de força nos bastidores para combater um complô que acredita existir.

Para a confederação, adversários estão bombando o episódio para que, na dúvida, os juízes apitem contra o Brasil. Enquanto Teixeira era vice-presidente do Comitê de Arbitragem, casos como esse eram tratados pessoalmente por ele e sem alarde.

O cartola combatia os rivais e brigava para evitar que árbitros sem a simpatia da comissão técnica brasileira fossem escalados. Isso não impediu a seleção de ser prejudicada por erros na era Teixeira. Mas agora há demonstrações de uma preocupação maior com algo corriqueiro no futebol e um grande esforço para tentar evitar prejuízo nos bastidores.

Na ausência de Teixeira, por enquanto, a seleção se defende na imprensa, divulgando dados do jogo contra a Croácia para mostrar a superioridade brasileira, expondo sua versão e colocando o depoimento de Fred, acusado de simular o pênalti que originou o segundo gol da vitória por 3 a 1 sobre os croatas.

Impossível saber o resultado dessa operação montada às pressas, mas é possível notar uma dose de insegurança nos bastidores, numa área em que Teixeira se considerava especialista.