Inglaterra 1 x 2 Itália. Jungle Fever

Leia o post original por Mauro Beting

MANAUS estava Manaus. Alegre, quente. Mas não tanto. Dava para jogar bem. Mas não tão bem e com tanta intensidade como atuaram ingleses e italianos. Nessa ordem.

Foram 15 as chances inglesas, 9 as italianas. Vitória típica da Azzurra. Sofrendo e ganhando. Sempre.

Fez 1 a 0 quando o jogo era um pouco mais equilibrado, em bela deixada de Pirlo para Marchisio que, até então, não muito fazia no 4-4-1-1 de Prandelli (ou coisa parecida). Daí um gol que a velocidade que um ataque com Welbeck, Sterling, Rooney e Sturridge podia fazer. Mas um gol que a Itália não costuma levar no contragolpe.

Respondido no reinício de jogo com o passe perfeito de Candreva para Balotelli explorar as costas de Cahill e definir o placar que Sirigu não deixou mudar. Com pelo menos umas três defesas de Buffon, o grande ausente.

O presente ficou para Pirlo. Sobretudo os minutos finais. Ele resolveu parar a bola. E o jogo. Como ele deixou estático Hart na falta que cobrou no travessão.

A Inglaterra segue viva. Muito viva. Foi a melhor exibição inglesa em muito tempo.

A Itália segue Itália. Muito italiana. Também fez a melhor exibição em muito tempo.

O problema para todos, ainda mais para o Uruguai, é que o grupo da morte tem mais um fantasma. Não é o de 50. É o da Costa Rica.