México 0 x 0 Brasil. Empate Ocho(cho)a

Leia o post original por Mauro Beting

Empate Ocho(cho)a

Foi 0 a 0 por conta de Ochoa, goleirão que fez quatro grandes defesas. O México não merecia perder pelo ótimo futebol que jogou no Castelão. O Brasil não merecia vencer por uma pálida atuação.

Felipão poupou Hulk e, por tabela, mudou taticamente a equipe. Oscar, o melhor contra a Croácia, foi atuar pela esquerda, na de Hulk. Ramires, com outra característica, foi fazer a direita do 4-2-3-1 – onde Oscar brilhou na estreia. Por dentro, próximo de Fred, Neymar, como todo o Brasil, fez um primeiro tempo discreto. De ótimo apenas uma bela cabeçada espetacularmente defendida por Ochoa.

Demérito da seleção que se mexeu ainda menos contra um México que não se apequenou. Usou mais o 4-4-2 que o 3-3-2-2, soltando mais Layun pela esquerda e o ótimo Herrera para chegar à frente, e travou o primeiro tempo. Felipão respondeu no intervalo com a entrada de Bernard pela direita, com Oscar mantido à esquerda.

Mas foi o México que arriscou mais na etapa final. Chutou mais de longe. E com perigo. Bernard, mal tecnicamente, antes dos 20 minutos trocou de lado com Oscar, que foi jogar onde havia atuado bem. Mas o time seguiu sem luz. Neymar acertou poucos lances. Paulinho seguiu sumido. Felipão demorou a tirar Fred. Willian demorou a entrar.

O Brasil não jogou bem e, pior, deixou jogar um México que cresce. O que ainda não justifica alguns sustos defensivos brasileiros, bem defendidos por Luiz Gustavo, Thiago Silva e David Luiz. Zaga que sustentou um time que depende tanto de Neymar quanto do hino antes do jogo.