Austrália 2 x 3 Holanda. Cahill por último, mas não Rio melhor.

Leia o post original por Mauro Beting

Holanda, que eu achei que não passaria da primeira fase, é a primeira seleção QUASE classificada para as oitavas. Chupa, eu!

Não foi a Laranja Mecânica revisitada – mesmo nos 5 a 1 não havia sido também. Repetiu a escalação, mas nem de longe o aproveitamento ofensivo da estreia no primeiro tempo – que foi muito melhor que o próprio futebol jogado na Bahia.

A Austrália mudou o lateral e um dos volantes e atuou mesmo no 4-2-3-1 mais ortodoxo que na estreia. A Holanda apostou no mesmo 3-4-1-2 da estreia. Mas passando pouco os alas. Não entendi. Como não vi Van Persie no primeiro tempo.

O jogo era igual quando a Austrália bobeou, o contragolpe foi formado a partir da falha de Wilkinson, e Robben bateu cruzado, abrindo o placar.

Mas Cahill não quis nem saber, empatando em seguida com um gol do tamanho do Beira-Rio. Um sem pulo de Van Basten, em 1988. Este de canhota. Este contra a Holanda, depois de um lançamento de mais de 50 metros da lateral direita.

A Copa está tão boa que até um gol dos mais lindos foi da Austrália. Que fase! Copa das Copas! (Dentro de campo e nas arquibancadas).

A Holanda mudou com a saída do terceiro zagueiro Martins. Com Depay, a equipe atuou no 4-2-3-1 variando com a bola para o 4-2-1-3. Para não escrever que é muito mais mesmo um 4-2-1-3. E foi muito mais Holanda na segunda etapa.

Nem o árbitro nipo-brasileiro daria ao time de Felipão esse pênalti dado a favor da Austrália contra a Holanda.

Mas Van Persie respondeu como Van Persie e empatou mais um jogaço.

Franguru perneta de Ryan. Depay virou o jogo logo depois de grande chance perdida pelos australianos.

Não existem mais João Sorrisões no futebol. A Austrália foi melhor em campo na primeira etapa. Em tudo.

Mas a Holanda é outra no segundo tempo. Mérito inegável de Van Gaal que, junto com seus comandados, calou minha boca.

Nike, não dá pra trocar o uniforme da Austrália com o do Brasil?