Seleção rodada 2, dia 2

Leia o post original por Mauro Beting

OCHOA, MÉXiCO – Podia ser BRAVO, CHILE, bravíssimo no Maracanã contra a Espanha, 25 anos depois do rojão de Rojas. Mas fico com o melhor goleiro mexicano que vi. Embora a concorrência no pais seja pouco qualificada.

SRNA, CROÁCIA – Experiente, atuou contra rival bizarro. Mas com ótimo desempenho defensivo e também ofensivo.

THIAGO SILVA, BRASIL – Partida de capitão contra o bom time mexicano. Melhor a cada partida.

MEDEL, CHILE – Baixinho, mas um gogante contra a Espanha. Zagueiro pela direita no 3-4-1-2 chileno.

MARCELO, BRASIL – Melhor que na partida da estreia, mas sem grande brilho na lateral que não apresentou nenhuma atuação de tanto destaque nos primeiros jogos da segunda rodada.

ARÁNGUIZ, CHILE – Não apenas pelo golaço na infelicidade de Casillas. Mas pelo que marcou. Pelo que jogou. Pelo que chegou à gente. LUIZ GUSTAVO, BRASIL, é outro volante que mandou bem, com mais obrigações defensivas.

HERRERA, MÉXICO – Outro que repetiu a ótima partida de estreia. Chuta bem, dribla, joga com intensidade mais à frente, além de dar um pé atrás. MODRIC e RAKITIC também repetiram boa partida pela CROÁCIA.

PERISIC, CROÁCIA – Deu mole Camarões. Mas de novo deu duro Perisic como o meia aberto pela direita. Bate bem com os dois pés e completa bem o meio-campo. ROBBEN também mandou bem pela HOLANDA, tanto como um dos atacantes do 3-4-1-2 inicial, quanto no 4-2-1-3 da segunda etapa.

ALEXIS SÁNCHEZ, CHILE – A melhor partida do melhor time chileno que vi passa pelos pés do atacante que como todos faz quase tudo. E muito bem. NEYMAR, BRASIL, embora individualista, também fez bom jogo.

VARGAS
MANDZUKIC