Messi, Aguero e Di María ainda não se entenderam; goleiro argentino foi o destaque do time na dificílima vitória contra o Irã

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

A Argentina continua repetindo todos seus problemas coletivos.

Messi, Aguero e Di María não se movimentam de maneira coordenada e nem se aproximam de Higuain, o centroavante que se mexe para dar opções e fazer o trabalho de pivô.

Gago aparece bastante na meia, é quem mais tenta distribuir o jogo, mas pouco ajuda porque a bola sempre passa pelos pés do habilidoso trio de criação.

Por isso o time de Sabella, que mantêm as dificuldades de marcação na jogada aérea e a dependência da individualidade de seus técnicos atletas acima da média para abrir espaços em sistemas defensivos muito fechados.

Isso ficou claro mais uma vez no confronto diante do Irã.

Os argentinos tiveram maior presença ofensiva, tempo com a redonda e quantidade de finalizações.

Os iranianos, dirigidos pelos português Carlos Queiroz, deram aula de marcação, determinação e concentração.

No 1° tempo, apostaram apenas nos contra-ataques e cruzamentos.

Depois do intervalo, adiantaram a marcação e transformaram o goleiro Romero em destaque do jogo.

Em ambos, sua proposta de jogo foi colocada em prática.

Messi, mal em campo, inútil na criação, fez o gol nos acréscimos do jeito que gosta.

Deixaram ele trazer a bola da direita para a esquerda e ele, de canhota, com a parte de dentro do pé, chutou de maneira perfeita.

Antes, protagonizou a outra jogada mais perigosa da equipe, não por coincidência, em lance individual e na única vez que o sistema defensivo do Irã havia errado.

O coelho tirado da cartola pelo craque iniciou a comemoração dos ‘hinchas’, entretanto não deve ter apagado a ideia de que o futuro, se o futebol das duas vitórias for mantido, é pouco promissor.

Ainda há tempo para os comandados de Sabella resolverem os problemas coletivos e começarem a atuar de fato como um time.

Por enquanto, são um um amontoado de atletas de alto nível do meio para frente que apenas esboçam a formação de uma grande seleção.