A vez de Júlio César

Leia o post original por celsocardoso

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

O mundo dá voltas diz o ditado. E não? Júlio César falhou na última Copa e até momentos antes do torneio o goleiro era um dos mais questionados entre os escolhidos por Felipão. Pois bem. O tempo passou e Júlio teve a chance de se redimir plenamente. Nas penalidades brilhou ao fazer três defesas e evitar a eliminação precoce da seleção brasileira. Merecido!

Alegria pela classificação à parte, hora de ceder à razão. O Brasil avançou, mas fez seu pior jogo na Copa do Mundo.  Nada de tirar mérito deste Chile que é o melhor de todos os tempos, mas os pupilos de Scolari não encontraram o jogo. A dependência de Neymar fica ainda mais clara, infelizmente, quando ele não joga bem. O time perdeu o meio-campo, não criou, rifou a bola de maneira irritante e, resultado, quem mandou na partida foram os chilenos que dão adeus ao mundial com dignidade. Voltam pra casa com a cabeça erguida.

Ao Brasil resta mais uma chance de convencer. O destino já havia lhe sorrido com a aquela bola na trave de Pinilla nos minutos finais da prorrogação. Poderia ter sido o fim, mas não foi. É bom ter sorte, porém não é nada sábio contar apenas com ela. Há Júlio César e há também muito trabalho ainda em Teresópolis.