Colômbia 2 x 0 Uruguai. Rodríguerazo

Leia o post original por Mauro Beting

Festa e febre amarela no Maraca. E não era do Brasil. É da Colômbia do técnico argentino Pekerman. Do mais que técnico 10 James Rodríguez. De uma torcida apaixonada e comovida pelo belo futebol do jovem time colombiano que eliminou o Uruguai.

Suárez fez falta. Claro. Mas não foi por ele que o Uruguai perdeu para um time desfalcado também de seu melhor atacante – Falcão Garcia.

Nem mesmo a suspensão polêmica incendiou como o esperado os celestes. A bela bola colombiana não deixou.

O Uruguai repetiu o 3-4-1-2 do começo do Jogo de Natal. Mas com Cebolla à fente, Maxi Pereira na ala direita. Depois a equipe jogou com linha de quatro. Mas já perdia de dois.

A Colômbia manteve o 4-2-3-1. Jackson foi o meia aberto pela esquerda, com Teo na frente. E Rodríguez por todos os lados.

O segundo gol foi uma pintura coletiva. Um belo gol finalizado de direita por James.

O primeiro gol ainda não falei.

O mais lindo da Copa. Do craque e artilheiro do Mundial.

De um protagonista com a mesma idade de Neymar.

Com jeito do Alex do Coritiba.

Com um golaço do tamanho do Maracanã. De uma Copa do Mundo.

Na mesma meta onde Schiaffino e Ghiggia fizeram os gols do Maracanazo.

No mesmo gol onde Muslera e o travessão tentaram impedir.

Mas é a meta e o gol onde Rodríguez fez história.

Obrigado, chefia, por ter me escalado pelo Fox Sports para comentar esse jogo no Maracanã.

Obrigado, Rodríguez, por não saber o que falar naquela hora. E agora também.

Deixei por último o destaque por que o seu time e o seu futebol são mais que esse golaço.

Mas se eu pudesse resumir toda a festa que a Colômbia faz em campo e fora dele bastaria esse gol.

Basta Rodríguez.
James Rodríguez.
O 0010.