Holanda 2 x 1 México. Jogaram como nunc

Leia o post original por Mauro Beting

Um diabinho manda escrever que é morre-morre um duelo entre holandeses e mexicanos.

Os deuses da bola resolveram escrever outra grande página em 2014. O calor das 13h no Ceará impediu um bom primeiro tempo do Bagaço Mecânico. Além do calor do Castelão que também ajudou o México a ser mais time.

O gol de Giovanni dos Santos de fora da área no início do segundo tempo deu a Herrera a chance de plantar cinco na zaga, quatro no meio, e apenas Peralta, depois Chicharito, no ataque.

Esperando a Holanda que já tinha mudado com 8 minutos com a saída de De Jong. Blind foi ao meio. Indi para a zaga em três. Kuyt seguiu como ala pela esquerda no 3-4-1-2. Esquema que, pela pressão, virou 4-3-3. Quase um 4-2-4 na blitz decisiva.

Era muita ligação direta. Algumas chances. E muito Ochoa. Mais uma defesa fantástica cara a cara que bateu ainda na trave. Outra grande saída à frente de Robben.

E aquela sensação de que mais uma vez a Holanda iria parar quando mais parecia chegar.

Mas e o chavão mexicano do time que joga como nunca e per…

Gol da Holanda! Sneijder! Uma bomba que nem Ochoa defenderia.

Aos 42 minutos. Já era doido demais. Ficou ainda mais doido.

O México ainda jogava como nunc…

Pênalti para a Laranja Mecatrônica!

Aos 45 minutos, Rafa Márquez fez uma falta em Robben que ele já havia feito na primeira etapa. Lance discutível. Menos pênalti que o primeiro. Mas, para mim, pênalti do mesmo jeito. Robben cavou legal. O juiz foi na queda dele. Eu também.

Huntelaar bateu tão bem que nem Ochoa pôde defender.

2 a 1 Holanda.

E o maior choro desta Copa de grandes emoções. Bravo México. Time que também parou o Brasil.

Grande Holanda que vai longe. Ou até a Argentina, na semifinal.