Hotel tem farta distribuição de ingresso e motorista da Fifa como cambista

Leia o post original por Perrone

Conseguir um ingresso para um jogo da seleção brasileira apenas quatro horas antes da partida pode ser uma tarefa relativamente simples. Isso se você tiver os contatos certos. Demonstração disso foi dada neste sábado num dos hotéis usados pela Fifa em Belo Horizonte.

Por volta das 9h30, um funcionário de Ronaldo, membro do COL, chegou para pegar dois ingressos para área Vip. Em seguida, disse que havia recebido um e-mail da Fifa informando que poderia pegar mais dez bilhetes de duas categorias. Sem sobressaltos, foi informado que teria que retirar as entradas no Mineirão e lá mesmo repassar aos convidados do Fenômeno. Os dois ingressos para a área Vip foram entregues por ele já no hotel.

Pouco mais tarde, uma loira vestindo short jeans, uma camiseta azul que vez por outra deixava a barriga à mostra e calçando bota marrom chegou ao saguão do hotel. Ela se encontrou com Alexandre Silveira, secretário que José Maria Marin herdou de Ricardo Teixeira. No salão de café da manhã, o funcionário do presidente da CBF entregou para a mulher pelo menos um ingresso. Em seguida, ele rabiscou uma lista, como se estivesse anotando quem já tinha recebido as entradas. Pelo menos mais dois foram distribuídos por ele.

No estacionamento do mesmo hotel, um homem com um crachá de motorista oficial da Fifa explicava que não tinha conseguido fechar a venda de um ingresso que intermediou. Pediu R$ 3 mil pela entrada. Não deu negócio. O interessado, certamente, não conhecia as pessoas certas.
Colaborou Gustavo Franceschini, do UOL em Belo Horizonte (BH)