Cambista levou ídolos do Brasil para “roubada” na Chechênia

Leia o post original por blogdoboleiro

O francês de origem argelina Mohamadou Lamine Fofana, um dos onze cambistas presos temporariamente pela polícia do Rio de Janeiro, já colocou ex-jogadores campeões do mundo pelo Brasil em uma situação constrangedora no passado.

Em novembro de 2011, ele organizou a ida de um grupo de atletas do passado para participarem de uma “partida festiva” contra o time dirigido na época por  Rudd Gullit. Ao chegarem no estádio, os brasileiros descobriram que iriam enfrentar uma equipe onde o presidente checheno Ramzan Kadyrov iria jogar. Tratava-se de um verdadeiro comício diante de 15 mil pessoas atraídas pelos ídolos do futebol.

Um mês depois, Raí publicou um texto onde afirmava estar arrependido de não ter se informado melhor sobre o país e o evento.

Durante esta Copa do Mundo, no dia 25 de junho, Fofana preparou um evento num restaurante na Lagoa Rodrigo de Freitas (RJ). Mazinho, Dunga, Carlos Alberto Torres, Jairizinho, Ricardo Gomes e Mozer foram convidados e participaram do almoço com integrantes do consulado da Suíça no Rio. Cada um ganhou uma garrafa de uísque em formato de chuteira. A polícia gravou Lamine comprando a bebida no Aeroporto Santos Dumont. Ele pagou mais de R$ 9 mil por cada unidade.

Nesta quinta-feira, Dunga, capitão do tetra campeonato mundial em 1994 (EUA), lembrou deste evento na Lagoa para admitir que conhece Lamine. “Ele organizou um jogo na Chechênia e também participei de um jantar aqui no Rio. Mas não sou amigo dele”, disse o ex-jogador. Mas o ex-treinador do Brasil no Mundial e 2010 tem o número de seu telefone rastreado em diversas ligações para Lamine.

Através da prisão de Lamine e dos cambistas, a polícia carioca já conseguiu identificar a participação de um funcionário da Fifa atuante no esquema de venda ilegal de ingressos para jogos da Copa do Mundo. A quadrilha começa a ser desbaratada e vem atuando desde 2006. Segundo o delegado responsável pelo caso, Fábio Barucke, os nomes de vários ex-atletas aparecem nas mais de 50 mil escutas telefônicas reunidas na investigação.

Entre eles, estão Júnior Baiano, Jairzinho, Carlos Alberto Torres, Dunga e Assis (irmão e empresário de Ronaldinho Gaúcho). Todos serão chamados como testemunhas no inquérito. Antes, falta ouvir 25 mil telefonemas. A polícia quer saber se eles têm alguma atuação dentro do esquema dos ingressos. “Se algum jogador cedeu ingresso para a quadrilha vai ser indiciado pelo mesmo crime. Tem ingressos da seleção brasileira e tentamos identificar mais duas seleções”, disse Barucke.

Lamine é um cara conhecido dos boleiros. Empresário, já levou garotos para testes em clubes como o PSV Eindhoven e Paris Saint German. O cálculo da polícia é de que ele e outros integrantes da quadrilha pretendiam faturar  cerca de R$ 200 milhões no Mundial do Brasil. O argelino foi flagrado por investigadores entrando e saindo várias vezes do QG da Fifa em um hotel em Copacabana.

Pelo menos um funcionário da Fifa já foi identificado como responsável por passar os ingressos para que os cambistas vendessem na porta dos estádios e mesmo em agências de turismo. “Ele é um estrangeiro que se prepara para deixar o país logo após o fim da Copa e está no Copacabana Palace onde está parte da Fifa", disse Barucke.

Nesta quinta-feira, Deli Fischer – porta-voz da Fida – disse que a entidade aguarda o relato dos policiais. Uma reunião foi marcada para esta sexta-feira. “Precisamos saber detalhes antes de se chegar a qualquer conclusão”, disse. O temor é de que o caso respingue na entidade, o que já está acontecendo.

A prisão de Lamine trouxe dor de cabeça e desconforto dos ex-campeões mundiais que entram na lista dos suspeitos de fornecer ingressos para a quadrilha de cambistas.

Perto deste incômodo, a “roubada da Chechênia” pode até se tornar um incidente menor. Mas não para Raí, que fez uma verdadeira auto retratação pública por ter topado jogar no esquema de Lamine.

Confira na íntegra a carta aberta de Raí divulgada em dezembro de 2011:

Chechênia, o dia em que me traí

“Quando o descuido e a ingenuidade podem se transformar em um ato inconsequente

pouco mais de um mês, recebi um convite de agentes intermediários para participar de um jogo na Rússia, país sede da Copa de 2018. O evento marcaria a inauguração de um estádio e jogaríamos contra a equipe local, que tem Gullit, ex-jogador holandês, como treinador.

No meio da minha correria, e com meu sócio (que é responsável por conduzir estas negociações) em férias, aceitei a proposta, se tudo estivesse confirmado e pagamento realizado 10 dias antes da viagem. Confesso que a falta de informação e cuidados, confirmam minha imprudência nesta operação.

Meu ingênuo raciocínio foi o seguinte: já estaria na Europa, onde participei do Global Sports Forum em Barcelona. Então, daria um pulo na Rússia, faria um joguinho, encontraria antigos amigos e ainda ganharia uma graninha.

Sinceramente, minha decisão não foi motivada pelo ganho financeiro. O que recebi não muda em nada a minha situação econômica. É o equivalente a pouco mais do que cobro para ministrar uma palestra de 2 horas na cidade de São Paulo. É também menos do que doo, com certa frequência, para projetos orientados pelo respeito aos direitos humanos. Alguns dias antes da viagem, ainda na correria, recebi a notícia da mudança do jogo da Rússia para Chechênia, o que me causou estranheza. Sabia de uma terrível guerra entre separatistas chechenos e as forças armadas russas. Mas, segundo informações, a situação já estava menos violenta há algum tempo.

Tentei me informar um pouco mais sobre o presidente daquela república. Talvez não tenha buscado com a profundidade que deveria. Porém, optei por ir e honrar o compromisso assumido.

O que aconteceu, no entanto, foi que fiz parte de umas das coisas que mais condeno na vida e com a qual mais tenho cuidado: participei de um evento escancaradamente político, populista, em um contexto desconhecido, sem saber as possíveis consequências e intenções.

Tenho certeza, e os movimentos atuais no mundo árabe mostram, que hoje um jogo de futebol com alguns ídolos não mudará convicções ideológicas, mas, o resultado dessa escolha está em mim. Me senti mal por ter sido inconsequente, e não criterioso como sempre costumo ser. Quando percebi o tamanho do risco, após o jogo, minha vontade foi de esconder-me de tudo e todos, inclusive de mim mesmo.

Até então, do encontro no aeroporto até a chegada em Grozny, capital da Chechênia, tudo era uma grande alegria, pois o time de amigos estava novamente reunido. De imediato, vieram lembranças de tudo que passamos para chegar às grandes vitórias.

Mas o fato é que em Grozny o clima era militar: fotos gigantes dos homens que estão no poder, pouquíssima gente na rua. Algo muito estranho pra mim. Só depois, fiquei sabendo pela intérprete russa que 98% da cidade havia sido destruída durante a guerra. Imaginem as lembranças daquelas batalhas ainda vivas por ali. Ouvi também que algumas ONGs, acusam o governo de violação dos direitos humanos. Pelo que vi por lá, não me surpreenderia. Mas é muito difícil avaliar em um lugar tão traumatizado e ainda em extremo estado de alerta.

Chegamos em Grozny já no começo da tarde. Comemos e fomos ao teatro, em um dos prédios reconstruídos, para uma apresentação de danças típicas e música, também com uma atração internacional. Fomos recebidos de forma muito gentil por todos. Foi o único momento que me aproximei da população, que parecia bem. O público era, na maioria, formado por mulheres, em comemoração ao dia internacional da mulher, 8 de março. Muitas com seus celulares filmando tudo. Posso dizer que foi um momento agradável, pude sentir, mesmo que pouco, o lado humano daquela cidade que tenta se reconstruir.

Ficamos em um hotel com condições razoáveis, praticamente dentro do estádio do time da casa (que conta com vários jogadores brasileiros). No estádio, lotação máxima, com cerca de 15 mil pessoas, que cantavam o tempo todo.

Poucas horas antes do jogo, soube que o presidente e seus companheiros seriam nossos adversários. A única notícia boa era a duração do jogo: apenas 2 tempos de 25 minutos.

Os agentes pediram para “aliviar” um pouco, já que era apenas uma 'brincadeira'. Realmente, apesar de Gullit e Matthäus estarem no time adversário, não tinha a mínima condição de fazermos um jogo competitivo. Além do presidente, havia outros que nunca tinham sido atletas de futebol. Foi uma pelada de quintal, mas o público parecia vibrante.

Placar a parte, desta imbecilidade (assim que me senti) cometida, ficam duas grandes lições: acompanharei de perto o processo político na Rússia/Chechênia; e estarei muito mais alerta a esses possíveis deslizes de avaliação (mesmo já sendo e tendo uma equipe muito criteriosa). Posso dizer que essa experiência serviu, ao menos, como um importante aprendizado.

Escrevo, porque da mesma forma e com a mesma intensidade que queria me esconder após o evento, necessito me expor e expor minhas fraquezas.”