Brasil vai bater, literalmente, na Alemanha

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Não sei se o Brasil será ofensivo ou defensivo na semifinal da Copa do Mundo.

O correto seria jogar no contra-ataque, mas a questão tática eu pretendo tratar ainda nesta terça-feira.

Passei aqui para falar de comportamento.

Tenho a impressão, é quase uma convicção, que a seleção de Felipão vai bater na Alemanha.

Não estou falando do resultado:

De ganhar ou perder.

Me refiro às pancadas durante o jogo tanto nas disputas de bola quanto fora delas.

Depois da contusão de Neymar, o treinador tem à disposição os subsídios necessários para criar o clima que aprecia e soube usar a seu favor diversas vezes durante a carreira.

O de guerra futebolística.

Ele mesmo, após a classificação contra o Chile, reclamou que a seleção brasileira estava muito boazinha.

Se a arbitragem não tomar cuidado, o confronto vai virar uma pancadaria.

Tal estilo de atuação pode ser eficaz, mas é sempre arriscado porque deixa os atletas próximos de uma expulsão, caso as regras sejam cumpridas.

Lembro que intimidações sempre fizeram parte do futebol.

Inadmissíveis são ações para tirar o adversário de campo em lances violentos e outros tipos de deslealdades como cusparadas e ofensas racistas.