Alemanha 1 x 0 Argentina. É tetra

Leia o post original por Mauro Beting

 

Higuaín teve a primeira Brazuca da final quando o regularíssimo Kroos recuou uma bola que podia fazer dele um Barbosa de 1950. Um Cerezo de 1982. Mas o centroavante argentino isolou a pelota. Depois, foi Palacio quem se aproveitou do cansaço do excelente Hummels para encobrir Neuer e ver a segunda brazuca do jogo se perder pela linha de fundo junto com o sonho argentino.

A Argentina foi mais time que a Alemanha na primeira etapa. Manteve o time e o 4-4-2 do jogo contra a Holanda e deixou Messi entre Howedes e Hummels, e um tanto atrás de Kroos. Na segunda etapa, os 120 minutos albicelestes contra a Holanda, mais o estresse dos pênaltis, e um dia a menos de descanso que os alemães que só precisaram jogar 30 minutos contra o Brasil, no Mineirão, pediram a conta. A Alemanha que já sentia muito a ausência de Khedira (o volante que mais chega à área rival) se reorganizou no 4-2-1-3, com Ozil centralizado, Muller e Schurrle pelos lados, e Klose comandando o ataque.

A Alemanha cresceu. Equilibrou o jogo. E foi levando a partida como quis até o excelente banco de Joachin Low dar a resposta com Gotze. Um meia-atacante que não vinha tão bem na Copa, tanto que perdera a condição de titular para Klose, mudando as funções de Muller e Ozil. Um jogador que ganhara mais chances na equipe pela lesão pré-Copa de Reus. Um meia-atacante que foi jogado no segundo tempo para ser o centroavante que não é. Mas que foi no lance decisivo, quando fez o gol no passe de Schurrle. O gol que artilheiros como Higuaín e Palacio não souberam fazer.

Diferentemente dos alemães como o zagueiro Howedes que foi o lateral que não é. De Lahm que foi volante e o lateral que é. Schweinsteiger (monstro!) que fez de tudo no meio. Como Kroos foi volante e meia. Muller e Ozil fizeram muita coisa. Messi fez pouco na decisão, e também na semifinal. Desgastado fisicamente? Travado emocionalmente? Tecnicamente limitado sabem lá os diabos da bola. Messi não foi o cara imaginado. Muito menos o craque do Mundial.

Mas não foi ele vice só por não ter atuado bem. A Argentina perdeu a Copa por falta sobra de Alemanha. E de sete atletas do Bayern no final do jogo. Sete atletas treinados por Guardiola. Como, em 2010, a base do Barcelona fez o time campeão do mundo pela Espanha. Com uma bola no chão e um toque de brazuca semelhante.

Base é tudo.