Nem Messi crê que foi o melhor do Mundial; Fifa transformou o prêmio em piada de mau gosto

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Nem o próprio Messi acredita que foi o melhor da Copa do Mundo.

Atuou bem na primeira fase, teve participação importante no gol contra a Suíça nas oitavas-de-final e depois sumiu.

Na final, por exemplo, jogou mal.

Na hora da dificuldade, Di María até se machucar, Garay, Romero e Mascherano, apenas para citar companheiros do craque na seleção argentina, foram melhores que ele.

Blatter, o presidente da Fifa, disse que ficou surpreso com a escolha de Messi, mas respeita a escolha do comitê técnico.

Quem são os membros do tal comitê?

Ninguém capaz de entender minimamente concorda com eles.

Nem os argentinos acharam Messi o melhor do Mundial.

Até o premiado ficou constrangido com a escolha.

Deve guardar o troféu numa caixa de papelão no depósito de casa, longe dos vários troféus individuais e coletivos aos quais fez jus por causa da sua genialidade e capacidade de decidir campeonatos importantes.

O melhor do Mundial foi o Robben, que carregou o sistema ofensivo holandês nas costas.

Ou, se você quiser escolher um campeão, o Müller, pela regularidade, gols e capacidade de atuar em mais de uma posição.

Kroos era o grande candidato ao prêmio, mas a pífia atuação na final o atrapalhou.