Armando Marques

Leia o post original por Mauro Beting

O maior árbitro brasileiro para muitos – e, para os árbitros, inferior apenas ao não menos polêmico Romualdo Arppi Filho.

Autor dos maiores erros da história, também. “Quando parecia que eu tinha comido alfafa”, gostava de dizer nas vezes raras quando ele assumia as bobagens feitas.

Ele errou feio nas contas dos pênaltis na final do SP-73 – e poucos souberam contar também. Cabeçada que virou mão na bola na decisão do SP-71. Mão na bola não vista no Fla-Flu de 1968. Arbitragem caseira na final do BR-74. Abuso de autoridade. Pouca bola para os auxiliares. Excesso de vaidade.

Não faltaram erros na carreira de Armando, também como presidente da comissão de arbitragem.

Mas quem não os cometeu?

Apitando, errou muito 0 Armando. Nome que inspira insinuações e ilações. Mas quem o viu com o apito, quem o conheceu de perto, reconhece as muitas qualidades de mais uma morte dolorida para o futebol brasileiro em meses de muitas perdas.