Dois Sandros Meira Ricci em um? Comissão de arbitragem tem muitas explicações para dar

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Discordo da marcação do pênalti de Chicão em Wellington Silva no confronto encerrado com a vitória do Internacional por 4×0 contra o Flamengo.

E também da expulsão do zagueiro.

Sandro Meira Ricci, o árbitro do jogo em o Colorado teve enorme superioridade do primeiro ao último minuto e fez jus à vitória, adotou o critério brasileiro, diferente do que ele utilizou em Alemanha 2×1 Argélia na Copa do Mundo, confronto lotado de lances de intensidade igual ou maior ao citado neste post.

O esporte e o mesmo, mas o critério, que no fim das contas muda a própria regra, é diferente.

Por que?

Quem mandou mudá-lo neste ou naquele torneio?

Sandro decidiu por conta própria usar critérios distintos?

Acho improvável, mas esta é apenas uma crença pessoal e não informação.

Recebeu ordens diferentes da comissão de arbitragem da CBF e dos instrutores da Fifa?

O que as leva a pedir aos árbitros que tomem decisões diferentes em lances similares?

Simples e direto:

Algumas perguntas não podem ficar sem respostas, pois se não a coisa desanda aqui no Brasileirão e cada árbitro vai apitar de um jeito diferente, o que interfere nos resultados.

Se eu fosse jogador de time da primeira divisão nacional, estaria perdido por não saber quais são os limites nas divididas.

A comissão de arbitragem, se pretende ter credibilidade, tem que fazer um comunicado explicando quais orientações deu para os árbitros e a postura que eles devem adotar em cada lance.

Assim todos nós – eu, você e principalmente os jogadores – saberemos quais decisões devem ser tomadas e todos os times entrarão em campo sob condições de disputa iguais durante os 90 minutos.

Ela deveria ser a primeira interessada em deixar tudo claro, entretanto pouco explica nos poucos momentos em que decide esclarecer algo.

É superficial no discurso ao invés de direta e detalhista tal qual necessita para informar, de fato, a opinião pública.