Luxemburgo no Flamengo

Leia o post original por Mauro Beting

O Flamengo não tem sabido contratar nos últimos meses. E, ainda pior, não tem sabido demitir.

Acertar ou errar uma contratação envolve muitas situações. Algumas que independem do patrão. Errar uma demissão como tem pisado na bola e no manto o Flamengo não é pela capacidade do demitido. É pela incapacidade da atual gestão de assumir os erros. De respeitar ao menos a pessoa, mais que o profissional.

O elenco que mal jogou muito mal com Ney Franco está fragilizado e em frangalhos. Alguns jogadores de bom nível estão abaixo da média no aspecto técnico e físico – e no tático não há nem o que falar.

Esse mesmo elenco daria mais jogo em 2009. Daria mais futebol quando o Flamengo foi hexa. Quando a então direção errou em muitas de suas decisões. Mas acabou dando tudo certo.

Agora, o Flamengo erra tanto ou mais. E dá tudo ainda mais errado.

A culpa não é só de Dorival, Jorginho, Mano, Jayme, Ney. Não será apenas de Luxemburgo.

E sabe-se lá se haverá alguém depois ainda em 2014.

Luxa é um dos maiores treinadores da história do futebol brasileiro. O maior campeão nacional. Merece o respeito e a admiração que ele vem perdendo com os títulos que não vem conquistando.

Não vem conseguindo o muito que já ganhou armando grandes equipes de bom futebol. Ganhava até quando não tinha bons jogadores. Como será o caso agora.

Os problemas de ambiente ele tirava com muitas letras. Agora, os números têm sido cruéis.

Mas ele parece disposto. Na Copa, pelo Fox Sports, tive o privilégio de comentar programas com ele, e a felicidade de trabalhar ao lado dele na decisão do Mundial. Aprendi muito
. E o vi, durante a transmissão, tirando fotos do posicionamento tático de alemãs e argentinos. Como outros treinadores competentes fazem há décadas, sabe-se. Querendo aprender ainda mais, como não são tantos, também se sabe.

Eu via em Wanderley um olhar mais vivo do que das outras vezes recentes.

Um apetite que será fundamental para tentar reerguer um Flamengo que não pode ter os resultados que tem tido.

O que é pior: placares que têm feito de tudo (ou nada) para obter por tudo de errado que tem feito em campo e fora dele.