Novo Dunga: técnico admite que precisa se relacionar melhor

Leia o post original por Pedro Ernesto

A entrevista coletiva que marcou o retorno de Dunga foi, sob certo aspecto, surpreendente. O novo treinador da Seleção Brasileira mostrou uma humildade que o Brasil não conhecia. Falou que precisa se relacionar melhor com a imprensa. Eu digo que não é apenas com a imprensa, mas com o entorno do futebol. Dunga mostrou um semblante relaxado, que difere daquele de suas antigas apresentações. Imagino que seja influência do seu amigo e agora coordenador técnico da CBF, Gilmar Rinaldi, um homem dócil e de fácil relacionamento. Essas parcerias ajudam o relacionamento dos profissionais com os outros setores que andam volta do futebol.

Renovação

Dizendo-se feliz pela nova chance, Dunga não esqueceu que tem, pela frente, grande trabalho. Onde existe um centroavante? E laterais competentes? Mas Dunga sabe que o futebol brasileiro tem incrível fertilidade na criação de talentos. Essa parece ser uma especialidade do novo treinador da Seleção. Tomara que tenha sucesso.

Público

Lukas Barth/AFP

Lukas Barth/AFP

A Pluri Consultoria apresentou a media de publico de campeonatos nacionais de diversos países. A Alemanha, com a sua Bundesliga, tem media superior a 43 mil expectadores por jogo. No Brasil, a média não chega a 15 mil por jogo. Importante avaliar que, antes da Copa, muitos estádios estavam em reforma e os jogos foram para lugares de menor capacidade e distantes dos grandes centros. Acredito que, neste ano, melhorará muito essa média. Precisamos avaliar isso lá pela metade do segundo turno.

Ucrânia

Não condeno os jogadores do Shakhtar Donetsk que não quiseram embarcar para voltar à cidade depois de amistoso em Genebra, na Suíça. A Ucrânia está em guerra, e a região do clube é a mais conflagrada. Um avião com pessoas que nada tinham a ver com o conflito entre Rússia e Ucrânia foi derrubado por um míssil. Quase 300 mortos. Não se pode condenar quem teme pela vida num cenário de guerra.

Demmmaaaaiiissss

Pelo menos três jogadores que atuam no Brasil precisam ser observados por Dunga. Dois são do Cruzeiro, os meias Everton Ribeiro e Ricardo Goulart. O outro é do Grêmio, Giuliano. São jogadores notáveis em busca de uma afirmação definitiva na Seleção. Não precisam ser vendidos para o Exterior para vestir a amarelinha. Dá ainda para pensar nos zagueiros Manoel e Réver, de categoria suficiente para crescer com essa nova Seleção.

De menos

O líder da Popular, Giba do Trem, não se apresentou para colocar tornozeleira eletrônica. Deveria fazê-lo até as 18h de ontem. Estava proibido de ir ao Beira-Rio e foi flagrado tentando ingressar no estádio domingo. Como pena pelo descumprimento da ordem, deveria colocar a tornozeleira. Acho que esse rapaz quer desafiar as autoridades. Pagará um preço alto. As constantes estripulias dele e de seus seguidores levam as autoridades da Justiça e da polícia a decidir-se por punições mais severas. Os marginais não podem desautorizar e ridicularizar aqueles que cuidam da ordem em nossa sociedade.