As palavras de Geninho após o jogo contra o Palmeiras

Leia o post original por estevesjunior

Desde a entrevista que o técnico Geninho deu quando da sua apresentação no Avaí venho gostando e muito da forma como ele “conversa”. Sim, é uma conversa. Percebo ele falar com sinceridade, transparência e, principalmente, com os pés no chão. A de ontem a noite foi, mais uma vez, um exemplo disso:

Chances perdidas

– Ganhou a equipe que fez as chances que criou. O futebol está muito igual, nós vimos isso na Copa. E agora estamos vendo isso. Quem cria, tem que aproveitar. Tivemos duas ou três boas chances, mas não aproveitamos. O Palmeiras, quando teve, foi lá e fez. É assim. }

Vaias para Cleber Santana

– Eu poderia ter tirado o Anderson Lopes, o Cleber ou o Marquinhos. Eu tinha três jogadores altamente degastados. Só que como o Marquinhos e o Anderson Lopes estavam mais próximos da área, poderiam finalizar mais, preferi tirar o Cleber.

Cleber pode mais?

Vocês conhecem o Cleber, e acho que ele pode render mais do que está rendendo. Ele é um diferencial desse time. Ele e o Marquinhos rendendo bem, o time do Avaí cresce. Qualidade é fundamental, às vezes é ela quem decide, tivemos exemplos disso hoje.

Juventude no ataque

– A experiência é uma coisa natural. O Paulo Sérgio já não é tão garoto, já passou por algumas equipes, tem mais rodagem. A maturidade vai surgindo com o tempo. O Anderson é que ainda é mais menino. Desde que chegamos aqui, sabemos que precisamos de uma referência, um jogador de área, só que sabemos da dificuldade financeira do clube.

Reforço para os setores do time

– Não adianta enganar, acho que precisamos, não temos. Temos um aqui que está sendo preparado, que é o Diego Vianna, esperamos que ele venha bem para ajudar. Só que no momento, não adianta eu enganar o torcedor, a gente não vai trazer um jogador de peso, não temos condições. É utopia. No momento, o Avaí é isso.

Com o que tem

– Em qualquer posição, não temos condições de contratar um jogador conhecido. O João Filipe, veio em uma condição favorável para a gente, com ajuda do São Paulo. O Carleto, a mesma coisa. Estava renegado na Ponte e agora está encaixado aqui, muito bem e ajudando. Vamos ver se o Diego Vianna funciona também, é aguardar para ver.

Realidade financeira

– Eu sabia das dificuldades quando eu cheguei. Até disse que iríamos trazer 3 ou 4 jogadores, mas aqui dentro eu vi a realidade e acho que temos que nos adaptar, não vamos trazer 3 ou 4 jogadores. Quem sabe até o final das inscrições a gente consiga um ou dois.

Peso da derrota para a Série B

– Acho que nenhum, pois trabalhamos muito bem o grupo para uma derrota também. Era um jogo de 180 minutos. Gostaríamos de ter uma primeira parte melhor, mas é seguir, são campeonatos diferentes. Alguns jogadores voltam. Espero que a derrota sirva de lições, pois a vitória pode esconder algumas coisas e a derrota expõe algumas necessidades. Não podemos misturar um campeonato com o outro.

Obs.: entrevista tirada aqui do GloboEsporte.com.

Saudações Avaianas

Esteves Junior
@souavaiano