Refinanciamento para os clubes é justo, mas é preciso punir irresponsáveis

Leia o post original por Pedro Ernesto

Foram 12 dirigentes dos grandes clubes que fizeram, na última sexta-feira, uma reunião no Palácio do Planalto com a presidente Dilma Rousseff e alguns ministros, entre eles o da Fazenda e do Esporte. Querem refinanciar dívidas fiscais, que chegam ao montante de R$ 4 bilhões. Uma montanha de grana. O governo se mostra receptivo e até admite medida provisória para acelerar o processo e resolver o problema até setembro. Existem clubes que não chegarão em pé no final do ano, tamanha a dívida que possuem.

Acho muito bom que isso aconteça. As empresas que atrasam impostos ganham o REFIs, que é um longo parcelamento de suas dívidas e seguem a vida. Por que os clubes não podem fazer o mesmo? O que me preocupa é que os dirigentes do futebol brasileiro não se dão conta que precisam ter mais responsabilidade nas suas gestões. E o refinanciamento precisa vir acompanhado de punições severas para dirigentes que são irresponsáveis na gestão de seus clubes.

Loucuras
Pagar R$ 700 mil de salário para um jogador beira a insanidade. Até posso entender se ele for protagonista, fizer grande diferença. Mas estes são poucos. Pagar salários milionários para treinadores que não garantem um bom trabalho e ainda aceitar o pagamento de multas, sabendo que eles serão demitidos com maus resultados, é outra loucura. Vão rasgando dinheiro sem a certeza de que os investimentos darão algum retorno. Dois anos depois de muitas bobagens saem do clube e deixam a conta. Não é um nem outro. É a maioria dos dirigentes. Um buraco sem fundo. Isso não pode se repetir. Quem for irresponsável, terá de pagar esta conta.

Faturamentos
Peguemos o caso de Grêmio e Inter. O faturamento deles beira R$ 150 a R$ 170 milhões por ano. São R$ 70 milhões da tevê, mais R$ 50 milhões dos associados, patrocínios de camisetas estão entre 15 e 20 milhões, produtos licenciados, o patrocinador dos uniformes, receitas de bilheteria, etc. Não dá para passar o ano com um bom time? Claro que dá, desde que não se cometam loucuras. Uma folha de R$ 6 milhões, em 13 pagamentos, custa 78 milhões. É a metade do faturamento. Gasta contratando jogadores, mas fatura vendendo, sendo que quase sempre a venda tem uma receita muito maior do que as compras. Não parece lógico que estejam endividados. Só que as contas vem de anos. Um deixa dívidas para o outro, e o clube adoece financeiramente. Isso precisa terminar.

Fim de semana

Lucas Uebel

Lucas Uebel

Grêmio e Inter precisam faturar seis pontos neste final de semana. O Inter pega o Bahia, que não vence há nove jogos. Mesmo sendo na Fonte Nova, a diferença térmica me leva a dar ao Inter o grande favoritismo do jogo.

O Grêmio recebe o Coritiba, treinado por Celso Roth e que, em onze jogos do Campeonato Brasileiro, ganhou só um. E o jogo é na Arena. Além disso, o líder Cruzeiro joga em casa contra o Figueirense e deve ganhar com naturalidade. Grêmio e Inter, se querem disputar alguma coisa, não podem deixar o time mineiro disparar.

Demaaaiiiiis
O Conselho de Administração de Recursos Fiscais entende que o treinador Dunga se valeu de transações financeiras inexistentes para pagar menos impostos. Cobra de Dunga R$ 907 mil. Os advogados do treinador entendem que ele não deve essa quantia. Seria uma transação com o Jubilo Iwata, clube do Japão. Na primeira instância, Dunga perdeu. Entrou com recurso e o processo foi encaminhado para segunda instância. Até que provem o contrário, acredito no que diz Dunga. Ele sempre deixou a impressão de ser uma pessoa séria.

De menos
A Policia Militar de São Paulo queria que os torcedores do Palmeiras não fossem de metrô para o Itaquerão, neste domingo, para que não existisse o encontro com os torcedores corintianos. No entanto, os palmeirenses não aceitaram a sugestão e vão por ali mesmo. Claro que os policiais ficaram em polvorosa. Vão ter que reforçar o contingente. É uma pena que estes torcedores se coloquem como animais irracionais e estejam prontos para o conflito. E uma pena também que o metrô, patrimônio do povo paulista, venha a ser depredado. Difícil não acontecer. São as torcidas organizadas. Sempre elas.