Inconstância é a cara da incompetência

Leia o post original por Bruno Maia

É impressionante. O mesmo estádio, os mesmos clubes, o mesmo esquema, praticamente os mesmos jogadores, se bobear os mesmos torcedores. E a chave do time vira de um jeito que não tem como entender. A roleta russa que é esse time do Vasco. A inconstância e irregularidade seguem sendo a marca desta temporada. Daqui do meu ponto de vista, o que mais me incomoda é não conseguir entender o que eu acho do trabalho do Adílson. Tem dias que você vê a mão do cara, você vê a coisa arrumada, um desenho e uma proposta e até chega a perceber que os fundamentos básicos do futebol estão sendo praticados. Mas passam três dias e volta a tona a sensação de que não tem ninguém ali. E vem uma leseira, uma morosidade, uma falta de raça… uma sem-vergonhice mesmo!

O que mais me preocupa continua sendo os novos jogadores do Vasco, que para se afirmarem se moldam em discurso e atitude a esse comportamento quase displicente. Que falta faz um despirocado das ideias pra dar uma sacudida de ânimo num elenco!

Ontem o que se viu em Campinas foi a mesma coisa que já aconteceu umas 10 vezes nesse campeonato, sendo que em 07 delas tivemos a felicidade de não perder, diante do que apresentamos. Esse papo de demorar a engatar já não é mais sustentável. Cada vez mais o título da competição fica longe e a gente tem que torcer pra entrar na rebarba dos 04 primeiros. Segura e vai na porta do lotação pra não sair fora.

O fato de eu não responder mais os comentários do blog, como avisei 300 vezes que faria em diversos posts, por acreditar que aquele é o espaço dos outros torcedores e não meu, não significa que eu não os leia. Leio direto e fico impressionado como ainda tem uma galera que não consegue (ou só não quer, ou finge que não quer, porque na internet demonstrar irritação é confundido com atitude) entender o meu ponto sobre o Adílson: NÃO TEREMOS NADA MELHOR ALI até a lamentável e envergonhadora eleição. É para aceitar, não cabe mais ter esperança disso. Ninguém dessa diretoria atual está NEM AÍ para o que rola em campo. Todas as páginas, não só da Globoesporte.com, sobre o Vasco tem metade das notícias repetidas sobre o time e a outra metade, com ainda mais destaque, para essa briga de poder, de liminares, de compra de votos, de arranjos políticos, de gente que nunca veio apresentar proposta concreta de lado nenhum. Todas as conversas que participei (não foram muitas), que me procuraram para falar sobre essas eleições, os únicos assuntos continuam sendo sempre a viabilidade ou não de uma ou outra candidatura, em função dos arranjos políticos internos do clube. Sempre querem me convencer de que é possível vencer o Eurico desse e daquele jeito, enquanto eu quero que todos se explodam. Eu quero que alguém entre para cuidar do Vasco. Ninguém discute um plano de gestão ou de proposta concreta para o modelo de futebol do clube. E a atual diretoria menos ainda. Se por alguma razão o Adílson pedir para sair, o marasmo e preguiça de quem está nos seus últimos dias de poder, pensando em como viabilizar mais uma eleição pra deputado pra continuar exercendo sua influência e desemprego comissionado, vai botar uma porra de um treinador tampão, aproveitador, burro e que ainda não conhece o time. É isso.

Eu não defendo a permanência do Adílson, mas não existe outra opção. Neguinho tá brincando com o perigo, não lembra o grau de irresponsabilidade dessas pessoas que comandam o Vasco? Quem vcs acham que viria de bom para o lugar dele? Alguém aí acredita que o Vasco vai buscar o Sampaoli, o Guardiola? Ou vai vir um Joel Santana, um Estavam Soares, um CELSO ROTH?!?!?! Em vez de se preocupar em eliminar o Adílson, a gente tem que pensar em salvar o Vasco. E certamente uma próxima contratação de técnico, nesse atual contexto, será catastrófica. Ou Vasco despenca pro fim da tabela ou essa sem-vergonhice vai continuar. E brincar de Fluminense, não é pra mim. O que sempre digo é que, muito pior que o Adílson – que acho fraco -, é quem só o mantém no cargo por preguiça e não cobra resultado por desinteresse.

Futebol não é jogo de azar para ficar nisso de “hoje não foi nosso dia”. Quem joga bola sério no planeta, em 2014, tá em outro nível de discurso e de avaliação de resultado. Papo de “não foi o nosso dia” é mais um sintoma de quanto o futebol brasileiro está atrás e o do Vasco em especial. Dia sim, dia não, não é o nosso dia. Isso é falta de responsabilidade com resultado. Isso sim!

Agora vem aí a quarta-feira, em São Januário, com esse time que não consegue mostrar resultado e que fica incomodado quando a torcida se irrita com a apatia ou a falta de qualidade técnica e começa a vaiar, pressionar… E aí vem a conversinha de que a pressão da torcida faz o time ficar nervoso, não conseguir resultado, e transferem para nós a responsabilidade deles. E assim vai esse ciclo caô-caô, que se vê há anos em São Januário. Um clube que vem acostumando-se a ser mediano, com dirigentes medíocres, e torcedores que, apesar de sofridos, somos os únicos que tentamos segurar na unha, no grito e na raiva, a noção exata da grandeza que temos, da história que representamos. Infelizmente, meus caros, não há nada a fazermos por agora, a não ser seguir cumprindo esse nosso papel e esperando.