Eu sinto vergonha da eleição do Vasco

Leia o post original por Bruno Maia

Muita gente cobrou que eu tivesse falado mais aqui sobre o processo eleitoral do Vasco, sobre quem eu apoiava, o que achava, etc. Desde o início da minha passagem aqui, expliquei que não iria entrar fundo no tema, principalmente enquanto não houvesse um candidato que falasse sobre o Vasco. O tempo passou, parece que a eleição vai rolar e esse candidato ainda não apareceu.

Foi extremamente constrangedora a atuação de todos os candidatos até aqui. Em nenhum momento eu vi nenhum deles interessado em discutir o clube. Só leio aspas que dizem respeito a processos políticos. São todos políticos, com interesses políticos e, infelizmente no Brasil – sobretudo no futebol -, o significado de “política” está bem longe daquele criado pelos gregos na antiguidade.

Na terça-feira, nós viveremos a maior derrota da história do clube. Nenhuma derrota nos campos terá sido maior do que o resultado dessa eleição que vem aí. Uma volta de Eurico pode significar até a volta de um título carioca, o que em praticamente NADA me interessa hoje diante da draga em que o clube está. Todo esforço do movimento DÍVIDA ZERO – esse sim, tem todo o meu apoio e aparentemente é feito por vascaínos de verdade – terá sido surrupiado pela volta do maior responsável pelo endividamento e falta de estrutura do clube. Uma vitória de Roberto Monteiro me cheira a entrada de um novo Eurico, um pouco mais novo. Não tenho esperança que o Eurico me contradiga, já o Roberto Monteiro tomara que o faça. Se vencer, estarei torcendo muito para estar errado. Mas não tê-lo visto falar em nada concreto para o clube como plataforma de campanha, ter visto que ficou muito mais tempo correndo atrás do arranjo político necessário numa eleição vascaína, me desanima profundamente. Assim como sua atuação política até hoje.

Não estou tocando no nome dos outros candidatos porque não me parece real a chance de que consigam vencer esses dois, diretamente associados as notícias sobre “aumento da base de sócios” ou o tal do “mensalão vascaíno”. Os números vão confirmar o que já está muito evidente na guerra política que vivemos.

O clube parece ter sido arrendado por grupos de coronéis. Pessoas que até agora não tem nada – a não ser a sede por poder – como discurso. O Vasco, que é tão maior que essa turma toda, se vê cada dia mais fraco e submisso a esses arranjos. Roberto Dinamite sai com um legado constrangedor, de ter desperdiçado a esperança vascaína e ter permitido que chegássemos a esse momento dessa forma.

Não é possível ter nenhuma grande esperança sobre os próximos anos do Vasco por agora. Minha tristeza aumenta a cada dia que a eleição se aproxima. Infelizmente parece que nosso pior pesadelo vai virar realidade. Estejamos preparados.