No dia dos pais, fomos uma mãe pro adversário

Leia o post original por Kako Ferreira

robinho_batendo palma
É sempre ruim ter que falar de uma derrota, ainda mais nas condições que ela aconteceu. Quem me acompanha sabe que sempre prezo pela coerência dos fatos, procuro ser justo e não jogo pra torcida, afinal, estou aqui pra emitir opinião e, a que tenho pra essa partida, não foi o Corinthians que ganhou, mas sim o Santos que perdeu, eu explico:

Construímos muito mais chances de gol que o adversário, não fosse pela falta de pontaria, era outra goleada. Estou errado? Assista aos melhores momentos e tire suas conclusões.
Os itaquerenses entraram nervosos em campo, prova disso é que o goleiro Cássio, por muito pouco, não entra pros anais daquelas séries de vídeos com lambanças no futebol.
O Santos não soube se aproveitar disso e entrou na pilha de uma equipe que praticou o anti jogo o tempo inteiro. Bastava um aceno do bandeira ou um apito do fraco Raphael Claus, para que o time inteiro, ao melhor estilo argentino, provocasse aquela catimba que tanto conhecemos, afrontando os profissionais de arbitragem, que por sinal, não poderia ser mais desastrosa. Era tudo pra eles, nada pra nós. Os caras puderam até bater no juiz, literalmente!

E pra não ficarem de mimimi dizendo que isso é choro de perdedor, Raphael Claus influenciou sim, ao menos na minha análise, o resultado do jogo, principalmente quando expulsou ainda no primeiro tempo o volante Alison INJUSTAMENTE…pausa pra vocês me xingarem. Estão mais calmos? Agora “vem comigo” (beijo, Goulart de Andrade).

O primeiro cartão amarelo não foi lance pra tanto, assistam ao vídeo e verão que Romero inclusive se atira bizonhamente pra chamar atenção do juizão. Já o segundo cartão amarelo, meu camarada, assista ao vídeo abaixo e tire suas conclusões: reparem que na primeira imagem realmente parece que Alison empurra o adversário, mas por outro ângulo, note que o pé do corintiano bate involuntariamente no joelho do santista.

Então, o que acharam?

Com um jogador a menos ficou mais difícil, mesmo assim, Robinho azucrinava a defesa adversária quando pegava na bola, que pena que por uns momentos jogava sozinho e de repente até pela falta de entrosamento, natural por conta da velocidade de sua contratação, faltava-lhe um “parça” pra chegarmos com mais eficiência ao gol. Mas acho que isso é uma questão de tempo, até Damião teve uma melhora na movimentação e saiu aplaudido de campo quando substituído. Acho que Robinho poderia ter ficado até o final, já que ele sozinho, conseguia “deixar ocupado” de dois a três jogadores dos caras. No fim das contas, o temido e premeditado gol de cabeça oriundo de bola parada, o fantasma que assombra nossa defesa.

O que vale é bola na rede e, nesse quesito, o adversário foi mais eficiente, para ser um vitorioso é preciso primeiro reconhecer a derrota, ela faz parte do jogo, portanto, congratulações ao adversário, nos vemos no próximo confronto. Agora nos resta consertar as falhas e nos prepararmos cada vez mais.

Em tempo: sem querer dar muito destaque a isso, mas como me envergonha fazer parte dessa tal de raça humana, que não consegue tolerar o outro apenas por torcer por um time adversário, que vergonha!

Segue o jogo…

Pra cima deles, Santos!

CURTA O SANTISTAIADA!