Náutico x Vasco | É chegar pra não sair!

Leia o post original por Bruno Maia

treiniPE

Gosto especialmente de Pernambuco. Além de vários grandes amigos naquela terra, lá é o único estado do Brasil que tem um rubro-negro respeitável, campeão brasileiro de 1987, e que nos ofereceu o campo para treinamento ontem. Saudações ao leão. Adoro também jogar contra o Náutico. Gostava mais ainda quando era nos Aflitos, o nome do estádio refletia a cara dos jogadores sempre que viam o Vasco entrar em campo… Os simpáticos adversários, únicos hexacampeões pernambucano, como eles gostam de citar, nunca costumaram nos dar trabalho, nem oferecer resistência. Não importa se é um trem-bala, um expressinho ou um bonde mambembe vascaíno que tá passando, normalmente o Timbu sempre se joga na nossa frente pra ser atropelado sem causar maiores dores de cabeça.

Hoje é dia de visitar nossos grandes amigos e uma leva imensa de vascaínos, no Recife. Nessa caravana rólidei pelo Brasil, o Vasco só é recebido em palco de Copa do Mundo e hoje será assim novamente. Temos a chance de finalmente chegar no G4, diante de um rival que historicamente nunca ofereceu trabalho e que vive uma draga depois de tomar um vareio do rival Santa Cruz. É bater em morto e o Vasco não pode ter pena.

A partida de logo mais foi adiada duas vezes neste campeonato e fez falta para o Vasco. No momento de seu cancelamento, o clube se afastou do G4 e isso abalou emocionalmente o grupo e o torcedor. É justo que cheguemos para este confronto com chance de reestabelecer a ordem das coisas. Provavelmente sem Kléber, mas com a volta de Guiñazu, como escrevi dias atrás, o Vasco não tem condições ainda de prescindir de um volante por um terceiro homem de criação no meio-campo, por mera falta de alternativa de jogo e de regularidade. A experiência diante do ABC mostrou que o capitão argentino segue fundamental ao lado de Fabrício, que por sua vez, consegue criar algumas alternativas.

Se for confirmado, Edmílson voltará a ter uma chance sem a sombra de Thalles, nem de Kléber. Apesar de achar que Thalles é o titular, continuo dando crédito a ele, que de todos os atacantes do elenco atual é o que tem o melhor histórico com a camisa vascaína. Que aproveite os ares pernambucanos para melhorar a disputa por uma vaga no ataque. Kleber ainda não se firmou e não é titular absoluto desta equipe.

A vitória é fundamental. O Vasco não pode desperdiçar a primeira chance concreta que tem de entrar no G4. Não podemos fazer disso uma busca contínua como foi a de sair do Z4 ano passado. Ficamos sempre ali perto de sair, mas nunca saíamos. Deu no que deu. Agora é a vez de inverter a história. Entrar logo na parada, emendar com uma vitória em casa no fim de semana e dar um pouco mais de tranquilidade ao torcedor neste ano tão complicado.